terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Relato de positivo - Su

Bom diaaaaaa, meu povo!

Provavelmente o último relato antes do meu projetinho de gente vir ao mundo. ❤

Olhem que relato bacana, a Su já tinha uma filha e estava convicta que não teria um segundinho! Até o relógio biológico bater de novo! tic tac, tic tac... e a vontade de ver a filha mais velha com um irmãozinho no colo? Ai que coisa linda.

Sigam o conselho da Su, "tomem as rédeas da sua fertilidade e nunca percam a esperança!"


Eu era a mais convicta das mães de filha única. Por 12 anos, tive toda a certeza do mundo de que não queria outro bebê. Até o início de 2017...

Sou apaixonadíssima pela minha filha, muito feliz com a família de três que formamos por todo esse tempo e era muito relutante em "mexer num time que estava ganhando". Mas algo começou a mudar dentro de mim. Conversei muito com meu marido, que também tinha seus receios, mas sempre foi muito mais otimista e propenso a outro baby que eu.

Em fevereiro, comecei a ler exaustivamente sobre fertilidade - logo eu, que sempre repeti: "não sirvo pra planejar filho"... o mundo gira, rs! Procurei um obstetra do qual vi ótimas indicações e ele me deu as primeiras orientações de vitaminas para o casal, passou exames. Encontrei um grupo no facebook, que logo me levou ao blog da Anne e, em seguida, ao grupo de whatsapp. Nisso já havia começado o sintotermal, mas, naquele primeiro momento, a intenção era apenas me conhecer melhor. Começamos a tentar em abril, mês em que fiz ultra seriada. Meus hormônios estavam perfeitos (quem diria, sempre fui A desregulada!), folículo lindão, endométrio gordinho, espermograma razoável, vitaminas a toda... Assim seguimos por mais 3 ciclos.

Havíamos combinado que tentaríamos até dezembro e apenas de forma natural - o médico chegou a cogitar IA ou FIV, em razão do resultado de motilidade do primeiro espermograma, mas ele mesmo achava que tínhamos chances sem intervenção. Se não rolasse, seguiríamos a vida em trio e sem lamentações.

Quando começou o ciclo de agosto, fomos repetir a bateria de exames hormonais e fazer alguns inéditos para nós. Peguei e autorizei a guia para a histerossalpingografia, marquei e... amarelei! Decidi que faria somente no outro ciclo. Dias depois, marido descobriu uma varicocele unilateral e começou a se preparar para a cirurgia. Em uma das consultas, seu urologista concordou com meu obstetra: havia, sim, chances naturais. O espermograma tinha piorado um pouquinho na motilidade, mas a quantidade era tão boa que podia suprir isso.

No meio-tempo, continuávamos com as vitaminas, que fui incrementando. Resolvi deixar a prímula e testar a copaíba. Minha ovulação atrasou bastante, ovulei no 24dc - a prímula ajudava a antecipar e eu já pensava "no próximo ciclo volto pra ela". Até então, jurava que haveria próximo ciclo, rs!

Mas sentia algo diferente. Dias após a ovulação, sonhei, pela primeira vez, com um irmãozinho no colo da minha filha - nunca fui sensitiva e não quis me impressionar com isso, mas óbvio que fiquei mexida. A TB vinha se mantendo num padrão mais alto que o meu normal. Chegou a semana pré-menstruação e eu não tive nenhum dos sintomas de costume, apenas dor de cabeça, mas com uma antecedência incomum.

Na sexta-feira, fui a um show com minha filha e, ao me abaixar para fotografá-la, senti uma pontada persistente no útero. Fiquei o resto da noite sentada, quietinha, com a pulga atrás da orelha. No sábado, a TB subiu mais. "Aah, não é nada, dormi pouco por causa do show!"... mas continuava encucada. Durante todo esse período de sintotermal, só havia feito teste de gravidez uma vez e não pretendia fazer à toa. Na tarde de sábado, rezei muito e pedi serenidade.

Domingo, 24 de setembro, 13dpo, a TB se manteve alta como no dia anterior... mas eu permanecia resistente em fazer o TG, ao mesmo tempo em que, dentro de mim, uma voz me dizia: testa! Por via das dúvidas, coletei a 1ª urina, enquanto resolvia se ia ou não à farmácia da esquina. Fui. Despistei marido e filha e me tranquei no banheiro. Foi só o tempo de colocar a haste na bancada... quando olhei de novo, dei de cara com o +!! Ainda nem estava atrasada e o positivo já pulava assim! Incrédula, corri a contar para o marido. Choramos juntos, totalmente emocionados! Decidimos só dar a notícia para a filhota após o beta, que fiz na segunda-feira, 14dpo, último dia da minha fase lútea padrão. Consegui um encaixe no GO, que me pediu para repetir o beta após 48-72h, tudo ok.

Na terça-feira, 15dpo, inventei de ainda medir a TB. Baixou para o menor valor de toda aquela FL, enlouqueci! Corri para fazer outro beta e conversei muito com a Jani, uma das administradoras do grupo, que me orientou e me tranquilizou muito. De qualquer forma, meu coração sossegou quando, em menos de 24h, vi o resultado do segundo beta ser bem maior que o do primeiro. Na quinta, 17dpo, aí sim com as 48h ideais - e com a TB alta de novo (naquele dia parei de medir de vez!), repeti o beta e ele havia mais que dobrado em relação ao anterior.

Enfim, conseguimos nosso positivo no 5º ciclo de tentativas, entramos agora na 12ª semana de gestação e, até agora, tudo dentro do esperado. E, sim, o sonho que tive uma semana antes de confirmar a gravidez mostrou-se correto: ganharemos um menino! "A voz do anjo sussurou no meu ouvido, eu não duvido, já escuto teus sinais"... Estamos muito felizes e agradecidos pela oportunidade de aumentar a família, como nossos corações tanto começaram a desejar neste 2017.

O grupo foi fundamental nessa jornada, aprendi muito com cada participante, com cada história. Agradeço e torço muito por todas! Tomem as rédeas da sua fertilidade e nunca percam a esperança!

O que usamos no ciclo do positivo:
Eu - fórmula Sophia, fórmula 2B, ômega 3, chá de amora e óleo de copaíba na FF, abacaxi na FL.
Marido - fórmula com vit A/C/D3/E/CoQ10/zinco/cobre/magnésio, fórmula 3B, ômega 3.

Gráfico de temperatura basal da Su
Teste de gravidez e Beta HCG da Su


-------------

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Fórmulas para aumentar a fertilidade naturalmente - como manipular

Olá, pessoal, tudo bem?

Segue um breve descrição das fórmulas desenvolvidas junto à equipe técnica da Tito Farma.

Fórmula Sophia:

  • Vitamina D3 (colecalciferol): 5.000UI
  • Metilfolato (forma bioativa do ácido fólico): 500mcg
  • Coenzima Q-10 (ubiquinol): 50mg
  • Vitamina E (mix de tocoferóis e tocotrienóis naturais)*: 100mg
  • Zinco quelato (com glicina): 20mg
  • Para comprar essa fórmula, CLIQUE AQUI.

Fórmula Sophia PLUS:

  • Vitamina D3 (colecalciferol): 10.000UI
  • Vitamina K2 (MK-7): 100mcg
  • Vitamina B6: 50mg
  • Metilfolato (forma bioativa do ácido fólico): 500mcg
  • Vitamina B12 (metilcobalamina): 500mcg
  • Coenzima Q-10 (ubiquinol): 100mg
  • Vitamina E (mix de tocoferóis e tocotrienóis naturais)*: 100mg
  • Zinco quelato (com glicina): 20mg
  • Selenometionina: 100mcg
  • Para comprar essa fórmula, CLIQUE AQUI.


Fórmula Thor:


Fórmula 2B:

Fórmula 3B:

*ATENÇÃO:
A vitamina E das fórmulas NÃO é sintética, mas sim NATURAL e COMPLETA. Poucas farmácias trabalham com a vitamina E natural, pois isso é de extrema importância pedir um laudo da vitamina antes de mandar manipular.
A Tito Farma trabalha com a vitamina E natural, e ao pedir pelas fórmulas acima, já virão com as vitaminas em suas formas naturais.

Como pedir pela Vitamina E natural? 
É importante especificar para a farmácia de manipulação:
- Tocotrimax, nome comercial. Vitamina E natural, com 8 isômeros, sendo 4 tocoferóis e 4 tocotrienóis NATURAIS ("D" e não "DL"). É preciso ter esses 8 isômeros numa mesma vitamina E, sendo eles:
  • 4 tocoferóis:
  • Acetato de D-alfa-tocoferol
  • Acetato de D-beta-tocoferol
  • Acetato de D-gama-tocoferol
  • Acetato de D-delta-tocoferol
  • 4 tocotrienóis:
  • Acetato de D-alfa-tocotrienol
  • Acetato de D-beta-tocotrienol
  • Acetato de D-gama-tocotrienol
  • Acetato de D-delta-tocotrienol

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Relato de positivo - Luciene

Bom dia com alegria porque hoje tem relato!!!

A mensagem desse relato é: desistir não é uma opção. Bom, pelo menos para a Luciene e o marido não era! Era só uma questão de tempo, porque a fé eles já tinham! E quantos frutos lindos a gente colhe nessa jornada, não é mesmo? Cada vez mais me convenço: Deus não demora, ele capricha.

Gosto de dizer que fé é o principal, mas precisamos fazer a nossa parte. Vejam que o casal correu atrás e fez tudo o que estava ao alcance deles para ajudar no positivo. Foi difícil? Foi. Mas isso só tornou a vitória ainda mais saborosa. ❤ Tenho certeza que ficarão encantadas com esse relato.


"Desistir...eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério; é que tem mais chão nos meus olhos do que cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça." Cora Coralina

"A verdadeira coragem é ir atrás de seus sonhos mesmo quando todos dizem que ele é impossível." Cora Coralina

É isso aí meninas, é com essas duas citações da poetisa Cora Coralina que inicio meu relato, com quem me identifico totalmente, pois ela conquistou o sonho de publicar seu primeiro livro, numa idade avançada, depois de muita luta e numa fase da vida que muita gente desiste de ir atrás dos seus sonhos. No meu caso. várias pessoas me disseram pra fazer FIV ou IA ou partir pra adoção, porque "com essa idade (40/41 anos) vai ser muito difícil você engravidar", foi o que ouvi de algumas das poucas pessoas pra quem contei que estava tentando. Sim, sim eu sabia que seria difícil, mas apesar de ter pensado em desistir algumas vezes, principalmente nos últimos ciclos, segui em frente. Depois de chorar muito por ver a M descer, no dia seguinte levantava a cabeça e começava de novo, porque meu sonho era maior que tudo e tinha muita, mas muita fé em Deus.  O apoio das meninas do grupo de tentantes e de uma amiga aqui da minha cidade foram muito importantes nesses momentos de desânimo, porque sempre  me davam força pra continuar. Aliás nesse último ciclo tinha decidido que no próximo (em setembro) iria dar um tempo nas tentativas para fazer um tratamento psiquiátrico (até já havia marcado a consulta) porque estava muito abalada emocionalmente não só por não conseguir engravidar, mas por estar muito estressada  e com problemas de insônia.

Mas apesar de todas as dificuldades, estou grávida e muito feliz!!!! Ainda não acredito que consegui, meninas. Estou vivendo um sonho: com 41 anos e  ele com 40, eu com SOP e o marido com espermograma apresentando quantidade por ml pouco acima do limite e morfologia que poderia melhorar (segundo o médico), pessoas negativas ao meu redor (que ignorei), finalmente chegou a minha hora. A sensação de ver o teste digital com a inscrição "Grávida - 2 a 3 semanas" é indescritível! Depois então que vi o Beta com 1.203 mUI e o segundo com 4.481 (65 horas depois), pensei: como Deus é maravilhoso!!
Vou passar a gestação inteira e até depois que o bebê nascer agradecendo a Ele pelo dom de poder gerar uma vida e criar um filho!

Mas agora vem a pergunta: mas como você chegou até o positivo? O que fez? Então se preparem porque a história é longa.

Minha história até o positivo começou em janeiro do ano passado, quando eu e meu marido decidimos parar de usar o coito interrompido - método de contracepção que a gente adotava. Vocês vão dizer, mas porque só começou as tentativas com 40 anos? É aquela coisa de esperar o tal  "momento certo", primeiro foquei na minha carreira profissional, depois pensei, antes de ter um filho preciso ter estabilidade, daí enfiei a cara nos estudos e passei num concurso público, depois que tomei posse queria adquirir um imóvel primeiro pra dar segurança pro filho e assim o tempo foi passando e quando eu percebi já tinha 40 e não havia ainda parado pra pensar seriamente em ter filhos. Aí decidimos iniciar as tentativas. mas fiquei de janeiro/2016 até novembro como arriscante porque eu não conhecia meu corpo, não namorava nos dias certos (nem sabia quando era meu período fértil) e tinha ciclos irregulares. Enfim, não sei explicar mas chegou em novembro, senti uma vontade interna muito forte de ser mãe, despertou em mim o instinto materno, então pensei: gente, preciso ter um filho! Agora quero realmente ter um filho, e falei pro meu marido que ia procurar um GO para ver se está tudo ok. Então peguei indicação de uma GO com uma amiga e fui, a GO me passou algumas vacinas pra tomar, uns exames de sangue e falou só assim: intensifica os namoros que vc engravida. Não passou exames detalhados para ver se eu tinha algum problema de fertilidade nem nada. Fiquei triste porque sabia que não era só isso e também não me senti segura com essa GO. Então em dezembro procurei um GO especialista em reprodução humana que me passou uma série de exames de sangue e de imagem, inclusive a histerossalpingografia. Ele falou que as trompas estavam ok, mas disse que eu tinha SOP e que meu marido tinha a concentração de espermatozoides no limite (limite  de 15 milhões e ele tinha 16). Disse também que por conta da minha idade e do espermograma do marido o ideal seria fazer 2 ciclos de coito programado e se não desse certo tínhamos que partir para FIV. Mas como ele não podia acompanhar as ultras seriadas, me encaminhou para uma clínica de reprodução humana. Esse diagnóstico obtive em janeiro/2017.

Por conta do adiantamento da M no ciclo seguinte, só pude me consultar na clínica de reprodução em março e iniciar o tratamento de coito programado no ciclo de abril, mesmo porque em março meu marido fez um check-up com urologista (a meu pedido) e descobriu uma pedra no rim, então teve que fazer uma cirurgia de emergência. Resultado: ciclo perdido. Mas vida que segue... eu não podia desistir. Até que no final de março conheci o blog da Anne e entrei no grupo de tentantes, a essa altura o tratamento na clínica já estava marcado, mas mesmo assim comecei o método sintotermal, instalei o Fertility Friend - FF(porque antes usava outro aplicativo) e comecei a tomar as vitaminas. Iniciei com poucas vitaminas, pois já estava gastando uma fortuna com o tratamento, que era particular. Essa GO passou pro meu marido um exame chamado TPS (Teste Prognóstico Seminal) dizendo ser mais aprofundado e detalhado do que o espermograma. O tratamento começou em 03/04, fizemos tudo direitinho, meu marido fez o TPS, eu tomei o indutor Clomid, fiz 4 ultras seriadas e na última tive 2 folículos maduros, então ela me prescreveu o Choriomon (injeção) para aplicar, indicou os dias certos para namorar e 3 dias depois dos namoros, tomei a progesterona (utrogestan). Acompanhei o ciclo através do gráfico do FF mas infelizmente não ovulei (o gráfico indicou que tive um ciclo anovulatório, não tenho certeza porque a GO não pediu uma ultra pra confirmar a ovulação). Fiquei chateada porque a GO não me deu a mínima atenção durante todo o tratamento (só a vi 2 vezes nesse período - na consulta e porque eu pedi uma vez pra falar com ela), fiz um monte de exames e ela não quis ver, nem o do meu marido. O pior: deixei um rim na clínica (porque foi muito caro...rs) , não tive a atenção esperada e passei o ciclo inteiro sentindo dores horríveis e com sangramento fora do período menstrual. Falei com a médica sobre isso, ela falou que era só um desequilíbrio hormonal. Pensei: sim, um desequilíbrio hormonal causado pelo Clomid (só pode!). Dias depois descobri que ela me passou uma dosagem alta. Depois dessa decepção, decidi que a partir do próximo ciclo seguiria somente com método natural e as vitaminas, nada de indutor e alopáticos.

No outro ciclo (27/04 a 28/05) incluí a água inglesa (pra limpar meu útero do indutor), mais algumas vitaminas e fitoterápicos do protocolo pra SOP (do blog),  e o meu marido passou a tomar a fórmula Thor e Tribulus, além do Omega 3. Ovulei no 19 DC e fase lútea de 13 dias. Mas não rolou.

Veio o próximo ciclo (29/05 a 21/06), fiquei feliz porque o FF marcou a ovulação no 13 DC (opa, no anterior foi tardia, então está melhorando...rs) e tive meu primeiro muco Egg desde nov/2016 (uhuu!). Estava confiante até que surgiu um obstáculo que interrompeu as tentativas nesse ciclo: o marido teve um outro problema urológico e por recomendação médica teve que ficar sem ter relações por uns 15 dias. Resultado: mais um ciclo perdido. Até que deu pra namorar 2 dias antes mas logo depois tivemos que parar.  Ainda nesse ciclo a Anne postou no grupo uma lista de médicos treinados pelo Dr. Lair Ribeiro. Foi quando resolvi marcar consulta com um dessa lista (foi a melhor coisa que fiz!). Aliás sou muito grata a  Anne por isso, era o quarto ginecologista até então. Fui cheia de esperança (tipo "agora vai")  e me deparei com um excelente profissional, atencioso, adepto a vitaminas, super apoiou a dieta Low Carb, o método sintotermal e passou 3 livros pra ler sobre nutrição...enfim, encontrei o médico certo. Ele prescreveu uma fórmula para o intestino (com probióticos), uma fórmula com antioxidantes pra mim e pro marido (esta melhorou a minha insônia por causa da melatonina)  e mais outras vitaminas. Deixei um pedaço do outro rim lá (kkk) mas dessa vez valeu a pena. Ele falou : vc quer mesmo engravidar? Corte (vc e o marido) o trigo e diminua o açúcar (de preferência substitua por xilitol). Foi quando decidi levar a Low Carb a sério e, como sou radical, não só cortei o trigo, mas tudo que contém glúten. Desde então (15/06) venho seguindo a Low Carb, diminuí quase que totalmente o açúcar e nesse ciclo além das vitaminas do protocolo também passamos a tomar as prescritas pelo médico (Dr. Júlio César Moura Leite - 61 3346-5241).

Acredito que a Low Carb tenha sido determinante para o nosso positivo porque no ciclo seguinte (de 22/06 a 18/07) minha ovulação veio no 15 DC e tive dois Eggs lindos (sendo que já usava o óleo de prímula desde jan/17) embora a fase lútea continuasse curta (12 dias)...mas bola pra frente. Pra dar uma relaxada e equilibrar os hormônios resolvi fazer acupuntura.

No ciclo seguinte (19/07 a 09/08) não sei porque mas a ovulação adiantou (10 DC), tive Egg novamente mas não rolou um baby. Beleza, vamos para o próximo.

No último ciclo (10/08 ao positivo)  resolvi incluir a duplinha homeopática, o lugol (que tomava mês sim , mês não a pedido do médico) e exercícios. A ovulação adiantou novamente (11 DC). Fase lútea correndo normal até então. Aí no dia 30/08 (10 DPO) retornei ao médico, ele ajustou as vitaminas, indicou a AHT pra mim e pro marido (ótimo, a AHT ficou como estratégia pro próximo ciclo) e deixou uma guia de Beta-HCG pronta (a meu pedido porque a próxima consulta seria depois de 6 meses ou se eu engravidasse). Aguardei até o 13 DPO, porque minha fase lútea variava de 12 a 13 dias. No 14 DPO ela simplesmente subiu pra 37 graus, eu nunca tinha chegado até o 14 DPO (minha antena ligou, mas por cautela, resolvi esperar mais um pouco. No 15 DPO se manteve em 37 (ai meu Deus, será?). Aí pensei: se amanhã continuar alta eu faço o teste. Assim fiz, testei no 16 DPO (05/09) e estava lá meu positivo, lindo (chorei sozinha no banheiro do trabalho porque não deu pra testar em casa). Não acreditei e no mesmo dia à tarde fiz outro teste (o digital da Clear Blue) e deu "Grávida" (aí sim acreditei, kkk!) . Depois de 5 meses de empoderamento, veio o meu tão sonhado positivo! Ainda desorientada corri pra fazer o Beta e à noite saiu o resultado. Quase morri quando vi o quantitativo com 1.203 mUI. Aí preparei a surpresa pro marido...e estamos até hoje em êxtase. Meninas, é a maior felicidade do mundo!!!!

Por tudo que passei, digo a vocês: nunca deixem de acreditar no sonho de serem mães, por mais difícil que seja, por mais longa que pareça a estrada façam a sua parte e acima de tudo tenham fé em Deus, que a hora de vocês vai chegar. Tenho certeza!

Quero agradecer primeiramente a Deus por ter me concedido esse milagre maravilhoso, ao meu marido por estar sempre do meu lado em todos os momentos e pela confiança em mim, às minhas amigas que acompanharam minha luta e deram seu ombro pra me consolar quando precisei, à Anne pela generosidade e dedicação em nos ajudar a realizar o nosso sonho, às Admins do grupo que tiveram paciência em tirar minhas dúvidas e me orientar sempre que precisei, ao meu médico ortomolecular que complementou as vitaminas e me deu o empurrão que eu precisava pra seguir a Low Carb e às meninas do grupo que sempre me apoiaram e torceram por mim. Vocês todas estão no meu coração. Estarei orando por vocês!! Bjos!!!

O que usei no ciclo do positivo: 
Fórmulas prescritas pelo Go ortomolecular (uma delas com a K2 e antioxidantes: resveratrol, tocotrimax, melatonina, picnogenol); lugol (2 gotas após o café da manhã), vitamina C (1g ao dia); D3 importada (15.000ui), Fórmula Sophia com selênio e complexo B: selênio (200mcg), B6 (100mg), metilcobalamina (300mcg), metilfolato (500mcg), Co-Q10 (100mg), zinco quelato (30mg); Mega DHA (2 cáps. ao dia); duplinha homeopática e óleo de prímula até a ovulação; óleo de linhaça (ciclo todo); cloreto de magnésio, colágeno e geleia real (ciclo todo); physalis (na fase lútea) e Conceive plus durante os namoros. Usei também por 3 ciclos, exceto no último, o inusitol (2 g ao dia) e em todos os ciclos o chá de amora.

O que o marido estava tomando:
Mega DHA (2 cáps. ao dia); Tribulus Terrestris; fórmula com antioxidantes prescrita pelo Go ortomolecular; fórmula Thor com selênio e licopeno: vitamina C (500mg), selênio (200mcg), D3 (10.000ui), metilfolato (500mcg), zinco quelato (30mg); Co-Q10 (100mg), Licopeno (7mg), tocotrimax (100mg).

Gráfico de temperatura basal da Luciene

Teste de gravidez e Beta HCG da Luciene


-------------

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Relato de positivo (2) - Carol Almeida

Hoje tem relatooooooo! ❤ 
(Que estou devendo há um tempão, abafa)

Hoje vou publicar o 3º relato de uma pessoa muito querida pra mim, a Carol. Vocês devem estar se perguntando... "Mas como assim, 3º relato?" É, minha gente, esta é a 3ª vez que nossa Carol linda faz um relato. Caso queiram ler os outros relatos antes desse, seguem os links:
  1. Relato de positivo - Carol Almeida
  2. Aborto e relato pessoal - Como o empoderamento ajuda a lidar com a dor da perda gestacional?
Os relatos da Carol mostram superação. A gente vive a alegria do positivo, a tristeza da perda gestacional, mas aprende que sim, é possível "escalar e sentir que o caminho te fortaleceu". A sociedade e inclusive os profissionais da saúde não estão preparados para amparar a mulher que sofreu um aborto. Pensam que ela não tem direito ao luto. "Logo você arruma outro". É o luto incompreendido de uma mãe que nunca conheceu o seu filho. São as lágrimas choradas em silêncio, na solidão da alma. 

Inspirem-se! E não deixem jamais de lutar. 

“É saber se sentir infinito
Num universo tão vasto e bonito é saber sonhar
Então, fazer valer a pena cada verso
Daquele poema sobre acreditar”
Eu acreditei e estou aqui pra fazer meu terceiro relato.

O primeiro relato teve o gostinho doce da felicidade do positivo, o segundo teve o gostinho amargo da perda gestacional, mas este vem com gosto refrescante de superação, alegria, medinho, mas sobretudo de conquista. Conquistei meu segundo POSITIVO!!!

Tive um aborto retido com 9 semanas de gestação, descobri que teria que fazer uma curetagem em maio/17, mais precisamente no dia das mães. Não foi fácil, mas recolhi os caquinhos e não deixei a peteca cair, voltei a medir minha TB logo que o sangramento parou. Tive sorte de ter em meu caminho, o grupo de tentantes, sobretudo as administradoras que me ajudaram a montar um super protocolo de vitaminas e montar protocolos e estratégias já me fazia sentir mais perto do meu positivo. Posso contar também com uma GO ortomolecular maravilhosa que não hesitou em investigar a perda, fizemos inúmeros exames (meu esposo e eu). Meu esposo descobriu deficiência na vitamina D, hipotireoidismo e uma varicocele discreta à esquerda que era a provável causa de uma baixa testosterona. Espermograma com boa quantidade e morfologia, mas com motilidade de apenas 8% rápidos que representavam 3 milhões de peixinhos rápidos num total de mais de 200 milhões, mas tudo bem porque eu só precisava de 1 peixinho, então já estava no lucro. Mostrei a fórmula Thor pra GO que adorou, incrementou algumas vitaminas, aumentou a dosagem da vitamina D e passou a testosterona bioidêntica micronizada. Marido ajustado, agora minha vez né: meus exames acusaram vitamina B12 baixa, vit. D boa, mas com potencial pra melhorar e um TSH elevado (3,2) potencial para um hipotireodismo.

Eu já tinha montado um protocolo com as meninas (ADM) e levei pronto pra GO e ela praticamente não mudou nada, apenas aumentou a quantidade de cloreto de magnésio, incluiu a T3/T4 pra regular TSH e sugeriu a passagem de Kelp Iodine pra Lugol já que tinha retirado as amálgamas. Inclusive elogiou pacas o blog e a iniciativa dos grupos. Ajustadas as vitaminas, esperei ansiosamente minha primeira menstruação descer (após 38 dias em um ciclo anovulatório) para refazer os exames e saber quando poderia voltar a tentar.

Tudo ok comigo, liberada para voltar as tentativas, mas a GO já me preveniu que meu ciclo estava sofrendo uma atualização de Software e que poderia demorar um pouco pra se ajustar e assim foi, gráfico bagunçado, ovulação adiantou, folículo rompeu com 16mm, fase lútea diminuiu de 14 pra 12 dias com spotting desde o 7dpo. Voltei cabisbaixa pra GO e levei bronca, afinal ela já havia me avisado pra ter paciência. Desconfiamos que o óleo de prímula poderia ter adiantado minha ovulação então ela sugeriu substituí-lo por óleo de copaíba. Novo ciclo! O óleo de copaíba fez muito efeito rs tive muco egg em abundância, o gráfico estava mais bonitinho, as TBs mais comportadas rs, no 9dpo vem um spotting, já desanimo, mas vamos em frente. O spotting só veio uma vez e parou, menos mal.
Eis que chega minha comprinha do Ebay (queria comprar 20 testes de ovulação e comprei errado, 20 testes de gravidez). Acordo no 13dpo e olho pra aqueles 20 TG e penso “vou testar um pra ver se funciona”, testei por testar mesmo, joguei a urina fora, deixei o palitinho no banheiro e voltei a dormir.

Uns dez minutos depois chega meu marido com a fitinha na mão perguntando se uma listra mais clara e uma mais escura significava alguma coisa.

Eu quase tive um mini-infarto e dei um pulo da cama, “será possível?”. Era sábado e já tinha passado da hora da coleta nos laboratórios que liguei. Foi um longo fim de semana, até que na segunda (15dpo) fiz o beta quantitativo e lá estava meu positivo (428,10mUI/mL), ainda assim o receio de não evoluir me consumia e repeti o beta no 17dpo e lá estava mais uma vez ele gritando “você está grávida” (1680mUI/mL).

Já corri na GO, peguei a guia pros exames e aquele spotting no 9dpo? Eu tive o sangramento de nidação, podem acreditar? Massss tudo pra mim tem que ser com emoção né então na primeira ultra, com 6 semanas, a médica não consegue achar o embrião e me diz que tive um novo aborto, faltou ar naquele momento, mas ela continuou procurando e eu continuei rezando e como um milagre a imagem limpou e lá estava ele com batimentos cardíacos visíveis, porém ainda não audíveis. Foi detectada um descolamento do SG de 50% com sangramento interno e pedido pra repetir a ultra com 7 semanas. Sete dias depois eu estava no consultório pra repetir a ultra e dessa vez me acompanharam a irmã, sogra e mãe (as únicas que sabiam além do marido), o marido nem entrou porque não tinha vaga rsrs. Nessa altura eu já estava com pressão baixa, suando frio e como uma música eu ouço os batimentos do meu bebezinho. Não consigo conter as lágrimas e quando olho ao redor todas estão chorando tbm, o descolamento tinha regredido totalmente e eu só tinha a agradecer a Deus. Mas o medo de um novo AR (aborto retido) me consumia, com 11 semanas fiz outra ultra e vi meu pinguinho lá todo formadinho e já fiz a TN, o coração acalmou mais e consegui contar para os íntimos rs.

Hoje completo 17 semanas, começo a sentir os primeiros movimentos que ainda são muito discretos e acabei de ficar sabendo que espero um garotão, o Arthur. Agora sim começo a curtir a gravidez e conseguir assimilar toda essa benção que me foi dada. Foram 8 meses de tentativas com um AR no meio, mas agora tenho fé que vai dar certo. Agradeço demais o apoio que recebi no grupo quando precisei, vocês foram fundamentais na minha recuperação, todas estão sempre em minhas orações!!!!! Quero agradecer em especial a essas administradoras lindas, detentoras de tanto amor e carinho que não tem outra alternativa a não ser transbordar para nós todo esse sentimento, muito obrigada por me aguentarem na bad kkk nos dias mais empoderados e nos menos também, vocês são pessoas iluminadas que atravessaram meu caminho e que dele jamais sairão!!!!  Por fim:
“Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu
É sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu
É sobre ser abrigo e também ter morada em outros corações
E assim ter amigos contigo em todas as situações” (Trem bala)
Protocolo do marido:
THOR ajustada com:
VIt. D 15.000UI
Vit. A 1.500UI
Vit. C (separada) 1g
Mega DHA
Testosterona Bio Micronizada
T3/T4 manipulados

Meu protocolo:
Sophia ajustada com:
Vit. D3 20.000UI
Vit. B6 20mg
Vit.B12 metilcobalamina 300mcg
Metilfolato 500mcg
Ferro quelato 30mg

Cloreto de magnésio 70mL
Vit. C 1,5g fracionada em 3x no dia
Kelp Iodine 25mg
Mega DHA
Óleo de copaíba (5 gotas em 1 copo de água) até a ovulação
Chá de amora miura
Abacaxi (1DPO até 5DPO)

Gráfico de temperatura basal da Carol Almeida.

-------------

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Relato de positivo - Jani

Ah, Jani...

Esse teu relato... O relato que fez tanta gente chorar. O relato tão esperado que ocupou várias páginas do Word e "obrigou" a Isa e eu reduzirmos rs. Eu me recusei a reduzir e cortar partes de uma relato tão incrível, completo, detalhado e acima de tudo: empoderado.

Lembro de quando a Jani entrou no nosso grupo (no G2) e disse qual era o nome dela no Facebook. Eu já conhecia ela, já acompanhava sua trajetória em outro grupo e admirava sua resiliência.

Não demorou muito para convidarmos a Jani para fazer parte do quadro de administradoras. Ela aceitou e a gente ficou extremamente feliz em tê-la conosco. Aprendi muito com a Jani, agradeço por nossos caminhos se cruzarem e termos esse lindo contato virtual diariamente. ❤


Tentante por 06 anos, 35 anos.
Diagnóstico: varicocele com alterações na quantidade, motilidade e morfologia. Ao longo do tratamento descobri endométrio fino (mas não foi impedimento pra engravidar).
3 FIVs, 4 TECs. Atualmente com 13 semanas.
“Bem vindo meu novo sercercado de proteçãode tanto amor tanta pazDentro do meu coração”.(Isadora Canto – Reconhecimento)
Que emoção iniciar esse relato! Antes de falar da nossa história, quero mostrar as contas malucas do meu pinguinho de gente!
- Esta última fertilização in vitro iniciou em abril de 2017. Desta indução, resultou o meu icebaby, que foi congelado em maio de 2017.
- Ficou há 160km de distância de nós, congeladinho, por quase 4 meses.
- Foi transferido pro meu útero em agosto de 2017.
- O BHCG no 15DPO (no d10 de transfer) deu 330.53 mIU/ml.
- No 18DPO deu 766,94 mIU/ml.
- No 20DPO deu 1373,80 mIU/ml.
Pois bem, estão sentadas? Pq tem muita história, muito sofrimento, muitos altos e baixos, mas enfim, o meu POSITIVO chegou!

Somos casados há 10 anos, eu com 35a., marido com 36a. A decisão de ter filhos foi em setembro de 2011 (há exatos SEIS anos). Eu sempre achei que engravidaria muito rápido, pois eu nunca usei anticoncepcional, então abandonamos o preservativo e a vida seguiu. Nesse período mergulhei nas leituras sobre maternidade, principalmente sobre parto humanizado. Alí começou meu empoderamento!
Em 2012, comecei a medir a temperatura basal e usar o Fertility Friend, mas eu tinha pouco muco e nunca entendia os tipos muito bem.
Final de 2012, eu fiz alguns exames e estava tudo ok! Meu marido decidiu fazer por conta o primeiro espermograma. Tava lá: problemas na quantidade, motilidade e morfologia! Dr Google já nos avisava: Fertilização in vitro.
Mas eu, sempre otimista, não abaixei a cabeça e disse: vamos seguir tentando naturalmente. Afinal, a gente só precisava de UM espermatozóide. Nesse momento abandonei o FF (que burra, dá zero pra ela).

A ideia de fazer uma FIV não era algo que eu estava preparada (ninguém está!). 2013 passou, 2014 também. E NADA. Nem atraso eu tinha! Nesse tempo todo devo ter feito uns 2 betas e um TG (qdo tinha infecção urinária e precisava usar antibiótico).
Nesse período, fui amadurecendo a ideia de fazer UMA FIV. Dizia pro meu marido: uma eu até faço (#sóquenão), mas se der errado, a gente segue a vida sem filhos.
Sempre tive a ideia fixa de que eu queria ser mãe para me tornar MAIS feliz. Mas não seria infeliz caso tudo desse errado. 
Então, em junho de 2014, fomos na primeira consulta com especialista e ouvimos aquilo que o Dr. Google já tinha dito: no caso de vcs, só FIV. O médico orientou repetir o espermograma e nos pediu exames hormonais. E o espermograma estava pior. Receitou vitaminas (de farmácia convencional) e voltamos em alguns meses. Espermograma melhorou? NADA, piorou!

Nossos planos era iniciar a FIV em janeiro de 2015. Médico foi enfático: se vocês esperarem a situação vai piorar muito! Façam urgentemente! O que fizemos? Corremos desse médico! A sensação era que ele queria apenas o nosso dinheiro!
Nesse período comecei a ler muuuuito. Assisti 500 mil vídeos no youtube, li trocentos relatos.
Um detalhe: até aqui NINGUÉM sabia que éramos tentantes e muito menos que faríamos tratamento.

Meados de 2014, contamos aos meus pais e meses mais tarde ao meu irmão e cunhada. Apenas eles.
Final de 2014 consultamos um outro médico e saímos dessa consulta com data pra iniciar a indução: janeiro de 2015. Também saímos com exames que são pré-requisitos para FIV. Alguma outra investigação? NADA. (e olha que aqui eu já me achava empoderada no universo das “fivetes”).
Na minha sempre otimista cabecinha: em fevereiro (mês do meu aniversário), eu estaria grávida. Amargo engano!
Usei AC pra programar inicio do ciclo, iniciei as injeções e no meu primeiro US saí do consultório eufórica: descobri que mulheres tem folículos (isso que eu me considerava empoderada! Sabe de nada, inocente) e que eu estava com muitos (devia ter uns 15 em cada ovário). Lembro até hoje da euforia ao ligar pro meu marido. Desde lá ele me chama de foliculuda! Poucos dias antes da indução o médico começou a me dar novas medicações e de modo muito sutil começou a me dizer que nem sempre se consegue transferir embriões frescos. Hã? Como assim? Eu não estarei grávida em fevereiro?
Punção agendada para uma sexta-feira. 27 folículos aspirados (eram 45, mas aspirados 27) e apenas 8 óvulos maduros. Aqui ainda estava muito animada! Tinha certeza que teria muitos embriões!
No domingo comecei a me sentir muito mal, inchaço e dor abdominal. A dor era tanta que sequer consegui lavar meus cabelos sozinha, tive que pedir ajuda. Fui piorando. Na segunda deveria ir pra clínica para o médico me avaliar. Chegando lá: hiperestímulo ovariano e transferência de embriões CANCELADA. Aquela semana foi uma das piores da minha vida. Mal fisicamente, transferência cancelada e apenas 3 embriõezinhos de 3 dias congelados. Mas, fazer o quê? Vamos em frente! Coloca o sorriso na cara e segue a vida!
O combinado então ficou: vamos transferir no próximo ciclo e ali veio um “novo problema”: endométrio fino. E eu lá ia saber que o endométrio era necessário pra uma gravidez? Pois é. Mal sabia que ele (o endométrio) se tornaria meu novo objeto de estudo!

No primeiro semestre de 2015 foram 3 ou 4 ciclos tentando engordar meu endométrio, usando diferentes estratégias, para decidir transferir com endométrio em 6,5mm no mês de maio de 2015. Dos 3 embriões, restaram apenas 2, que foram transferidos juntos para o meu útero. Antes de 10 dias já tive sangramento, beta negativo.

Depois de um tempo (após morder a língua), em outubro de 2015, decidimos fazer outra FIV. Dessa vez fiz mais exames (incluindo videohisteroscopia e outros de sangue) e combinamos a estratégia de fazer transferência à fresco, na esperança de – com estímulo endógeno – o meu endométrio responder melhor. Período de indução perfeito, sem hiperestímulo, consigo 2 embriões de 3 dias (transferidos à fresco) e 2 embriões de 5 dias (blastocisto) congelados. Endométrio entre 6mm e 6,5.
10 dias para um novo beta e sem nada de sangramento. Estava certa que estava grávida! Beta NEGATIVÃO!

Um ano depois (outubro de 2016), depois de muita terapia, voltamos aos tratamentos. Fiz a injúria endometrial e transferi os dois blastocistos criopreservados. 5 dias depois de transferir, tive um sangramento! Pirei, mas era “só” o famoso e raro sangramento de nidação. Com aquilo, me antecipei e fiz um beta no d9: beta em 14 mIU/ml. O HCG evoluiu até 510 mIU/ml, mas de modo muito lento e com alguns sangramentos. Duas semanas depois, o diagnóstico: Gravidez Química. Meu mundo caiu! Sem dúvida o dia mais difícil das nossas vidas. Nesse período, meu avô paterno tinha descoberto um câncer de estômago e ter perdido o bebê me deixou ainda pior, na minha cabeça o meu avô morreria e o meu filho viria.

Vale dizer que nesse tempo de tratamento nesta clínica, tentamos INÚMERAS estratégias com o endométrio: estradiol (em gel, comprimido e adesivo), AAS, Sildenafil (viagra em óvulo vaginal), acupuntura, injúria endometrial, vitaminas, etc.
E agora, o que fazer? 
Desistir e tocar a vida? Meu marido NUNCA pensou em desistir, sempre me disse que, enquanto houvesse chance, deveríamos continuar tentando. Isso fez A diferença nas minhas decisões. Quando eu estava querendo desistir, ele me animava! Muito amor por esse homem!
Vivemos o luto de ter perdido nosso bebê, vivemos a dor de perder meu avô, juntamos os cacos, guardamos nossas dores no bolso e fomos em frente!

Mudamos de médico, de clínica. Mas, antes de partir pra uma nova FIV, decidi que iria investigar TUDO que ainda não havia feito. Percorri muitos consultórios, passei horas estudando. Em janeiro de 2017, não lembro exatamente com qual termo na busca do google, fui parar no blog Projetando um Bebê e no G2. Ah, que grupo lindo e abençoado esse! Vale ressaltar que nessa minha trajetória eu já tinha feito sintotermal, já tinha usado várias vitaminas e fitoterápicos (mas de forma muito “por minha conta” pq nunca encontrava material de qualidade e o meu médico só me dizia: a parte das vitaminas eu deixo contigo). Quando eu cheguei no G2 fui devorando o blog e no mesmo dia já decidi que iria voltar a usar vitaminas (de forma organizada) e voltei a fazer o método sintotermal. E decidi também dar mais um tempo nos tratamentos e acompanhar os meus ciclos de modo natural para observar como o meu endométrio se comportava sem nada de alopáticos. Entre janeiro e fevereiro de 2017 fiz histerossalpingografia, teste pós coital e US seriada em ciclo natural. Nesses US encontrei uma médica maravilhosa. Ela me explicou muita coisa e naquele ciclo tive dupla ovulação e endométrio (pasmem) em 7.1mm! Ali uma luz se acendeu: opa, parece que meu corpo responde melhor naturalmente do que com alopáticos. A cada ciclo fui mudando as estratégias, ampliando as vitaminas, fizemos auto-hemoterapia por uns meses, os estudos, fazendo novos exames. E aprendendo muito com esse grupo maravilhoso.

Em abril de 2017 demos o start pra nova FIV. Em maio, fizemos a punção. Apenas 5 óvulos, desses, recebi a notícia, no dia das mães, que eu tinha um LINDO BLASTOCISTO, um 5AA, considerado um embrião “top das galáxias”.

Um dia antes, conheci a Isa pessoalmente. O que eu já sentia virtualmente se confirmou: que pessoa maravilhosa e que já tinha me ajudado TANTO e naquele momento importante estava lá, me passando muita energia boa e torcendo para que tudo desse certo.
Punção realizada, agora era focar no ciclo para a TEC. Fiz novamente a injuria endometrial, dessa vez em consultório e no ciclo que estava programada a TEC. Doeu, mas sobrevivi! Naquele ciclo, estava com um cisto residual da indução. Nesse ciclo não usei nada de hormônio pro endométrio, mas usei medicação pra romper o folículo e progesterona após ovular. Isso já bagunçou tudo. TEC cancelada. Em consulta, sugeri pro médico de tentar transferir sem NADA de alopáticos e ele topou na hora! Ali eu já estava chegando a conclusão que o meu corpo não responde bem à alopáticos.
Vale ressaltar que para fazer ciclo natural ou “meio natural”, apoiada pelo meu médico, eu fiz: teste de ovulação, método sintotermal e vários US e exames laboratoriais de progesterona.
A primeira vez que eu mandei meu gráfico para o médico e ele “leu” as informações do meu ciclo, eu vi que eu podia confiar nele (a maioria dos médicos ignora ou desconhece esse método).
Como ciclo natural não dá pra programar, tive mais dois ciclos cancelados, pois, coincidentemente, nas datas que deveria transferir, o médico estava em congresso.
Ao total foram 3 ciclos cancelados. Se eu fiquei triste? Bem pouco! Estava tranquila que queria transferir num ciclo que me sentisse segura! Era só um embrião, não podia desperdiçá-lo.

Agora vou contar sobre o CICLO DO POSITIVO:
- Menstruei dia 11 de agosto.
- No 8DC fiz o primeiro US, endométrio em 3.1mm.
- No 11DC, endométrio em 4.3mm. (e eu desanimada, achando que seria cancelado. E o marido dizendo: calma, vai dar certo!)
- No 12DCc o TO positivou (carinha do clearblue piscando)
- No 13DC o TO ficou com o positivo “forte” (carinha parada)
- No 14DC de manhã o TO negativou, deduzi que o meu folículo tinha recém rompido. 
No ultrassom confirmou ovulação e o bonito do endométrio tava lá: em 7mm!!! Que alegria. Mas como sempre tem a surpresinha: ele ainda estava trilaminar (quando já era pra estar secretor). Outra situação, meu gráfico não teve um aumento significativo. Tinha certeza que minha progesterona estava baixa. E estava mesmo, em 3.32 (1DPO).
Naquele dia desanimei, pensei que seria mais um ciclo cancelado. A Aline Cardozo (outra grande amiga que esse grupo me deu), me falou: pq vc não tenta as sementes? (Controle hormonal - seedcycling). Ainda não tinha estudado isso a fundo. Comecei a ler e já iniciei naquele dia mesmo as sementes de gergelim e girassol.
No 18DC (4DPO), fiz o último US de tentante e o endométrio estava em 6.5 e já estava secretor. Dosei novamente a progesterona e para minha felicidade, estava em 12.4 (eu esperava estar entre 8 e 10).
Pronto, transfer agendado para o dia seguinte.
Na terça, dia 29 de agosto de 2017, no 19DC, 5DPO, o nosso icebaby foi transferido para o meu útero! Que emoção!
Um parêntesis: meu marido SEMPRE foi muito companheiro! Mas nos tratamentos na primeira clínica, ele não era autorizado a entrar e acompanhar a transferência dos NOSSOS embriões. Achava isso muito injusto com o pai, mas era regra da clínica.
E, desta vez, ele acompanhou todo o processo de transferência, pode filmar, fotografar. Ele ficou tão nervoso, mão suada. Ali eu tive mais certeza ainda de que o nosso momento havia chegado!
Segundo parêntesis: nas outras TECs, a orientação era repouso relativo. E pra mim, se pede repouso, era o mesmo de: cuide pro embrião não escorrer pelas pernas. Eu ficava 10 dias sem sair de casa e não puxava nem a descarga pq achava pesada. Doida né?
Nessa clínica de agora, meu médico disse desde o inicio: se um dia alguém me provar que repouso aumenta taxa de gravidez, eu mudo minha conduta. Eu vou colocar o embrião em você e “tchau, vai embora”, vida que segue! No D2 de transferência, atividade física e sexual liberada.

No dia da transferência, eu perguntei se deveríamos ficar em hotel (a clínica fica a quase160km daqui) ou se podíamos voltar pra casa. Ele disse: podes ir à cavalo, se quiser!
Essa frase irônica fez TODA a diferença. Já no primeiro dia fiz número 2, subi escadas, espirrei (até disso eu tinha medo).
Claro que evitei sexo, pegar peso e me abaixar muito, mas fiz caminhada, dirigi, cozinhei, tudo absolutamente normal. Me dei o direito de pegar 4 dias de atestado e uns dias de folga (minha vida profissional é agitada e “pesada emocionalmente” em alguns momentos).

O que eu usei neste ciclo:
- 1DC até ovular: 1 xícara de chá de amora até o 13DC, suco de romã, suco de inhame crú e dupla homeopática.
- Ciclo todo: outras homeopatias (estava usando há uns 3 meses), cloreto de magnésio (50ml), LOW CARB (minha nova paixão), 5000UI de D3, K2 120mcg, Tocotrimax 100mg, Metilcobalamina 300mcg, Metilfolato sublingual 800mcg, Vit C 600mg, B6 100mg, Omega 3. Abacaxi em jejum do 1dpo ao 14dpo, acompanhado com kefir e sementes de girassol e gergelim. Comi uns physalis, também.

Quero dizer algumas coisas à vocês:
Os médicos costumam seguir certos protocolos. E nós, seres humanos (complexos e singulares) nem sempre seguimos padrões ou nos encaixamos a protocolos.Meu tratamento só deu certo quando o protocolo foi montado PRA MIM e POR MIM! Sou muito grata aos 2 médicos que me acompanharam. Ambos muito competentes, mas, sem falsa modéstia, eu faço parte da construção desse tratamento que deu certo! E com TODA certeza do mundo afirmo: LowCarb (ainda que com algumas recaídas), vitaminas, fitoterápicos e as homeopatias fizeram muita diferença para que eu conseguisse um embrião de tão boa qualidade, melhorasse minha vitamina D (nas outras transferências estava sempre abaixo de 30) e melhorasse tanto a minha progesterona!
Sofri MUITO nesses 6 anos. Mas ao mesmo tempo, aprendi muito, amadureci muito e hoje me considero uma pessoa muito melhor. Sou resiliente demais. Aumentei minha empatia pelo sofrimento e dificuldade alheia. E um dos mais doloridos aprendizados foi: EU NÃO TENHO CONTROLE DE TUDO.
Mas, ao mesmo tempo, aprendi que SIM, eu preciso me RESPONSABILIZAR pelo curso do meu tratamento. Foi estudando, planejando, mudando as estratégias, que EU cheguei à conclusão de que o meu organismo NÃO responde bem a alopáticos. Desde que entrei aqui, consegui melhorar MUITO os meus exames (vitamina D, B12, ferritina, índice de saturação da transferrina, progesterona, etc).

Então, eu digo e repito: tomem as rédeas da vida de vocês! 
Claro que tive meus muitos momentos de tristeza, mas sou adepta àquela música: se for pra chorar “que seja por um dia e não um ano inteiro”. Transformei todas as minhas lágrimas e todo o meu luto, em luta pelo positivo!

E, pra finalizar, eu sou a prova viva (e meu pinguinho de gente, também) de que a natureza é perfeita! Eu sempre fui da vibe mais naturalista (só não era na alimentação #vergonha). E tive que “sofrer” vários tratamentos super artificiais, para só depois – na dor – aprender que menos é mais!  O encontro do meu óvulo com o espermatozóide do meu marido precisou acontecer em laboratório. A ciência está aí a nosso favor. Mas só quando eu CONFIEI no meu corpo é que DEU CERTO! Estou grávida!

Quero muito agradecer à Anne. Eu nunca encontrarei palavras suficientes para agradecer o que você já fez por mim e faz, diariamente, por muitas mulheres, direta e indiretamente! Hoje posso dizer que fiz muitas amigas nesse grupo, e você, COM CERTEZA, é uma delas! Gratidão, gratidão!
Quero também agradecer à Isa, uma das primeiras meninas que passei a conversar mais e logo nos tornamos muito amigas. Me ouviu e me acolheu nos meus momentos de tristeza, de desânimo. Traçou junto comigo estratégias. Me ajudou a encontrar lugar pra comprar medicamentos, me enviou até os sucos de romã e a duplinha homeopática. Agora estamos companheiras de barriga, minha amiga! Gratidão eterna a você.
Quero agradecer também à Aline Cardozo, outra amigona que fiz aqui.  Obrigada por me ouvir, por torcer por mim, por se preocupar!!! Gratidão!
Quero agradecer a todas as ADMs, que me aguentaram nos meus momentos de desânimo. E, quando eu estava pessimista, vocês mantiveram o otimismo por mim! Obrigada, meninas!

E quero agradecer por todas vocês aqui desse grupo! Aprendi DEMAIS aqui! E espero continuar aprendendo e compartilhando também os meus saberes e experiências!

Não sei quem é a autora dessa frase, mas finalizo meu relato com ela:
“É fácil reconhecer as mulheres fortes: elas são as que se constroem umas com as outras em vez de se destruírem entre elas”.
Gráfico de temperatura basal, teste de gravidez, Beta HCG e icebaby da Jani.



-------------

domingo, 12 de novembro de 2017

Relato de positivo - Jéssica

Ahhhhh... Relato da Jeh, nossa admin querida. ❤

Tenho um carinho imenso por todas as meninas, mas com as administradoras, eu convivo diariamente, se duvidar, a gente tá se falando 24h por dia. Cada TB (temperatura basal), cada resultado de exame, suplementação, sintoma, angústia, dividimos umas com as outras. E é festa quando uma admin fica grávida.

Possível infertilidade secundária, gestação química, Beta baixinho, muita ansiedade mas muita FÉ!


"Na bruma leve das paixões
Que vêm de dentro
Tu vens chegando
Pra brincar no meu quintal
No teu cavalo
Peito nu, cabelo ao vento
E o sol quarando
Nossas roupas no varal
Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais"
Além de um relato de positivo é um testemunho de gratidão a Deus.
Graça alcançada é graça compartilhada...

Meu positivo, se DEUS quiser de 40 semanas saudáveis, chegou!
O que eu posso fazer se não agradecer ao meu Deus todo poderoso?! Quantas vezes tive pouca fé de que esse momento ia chegar novamente, e peço perdão por isso.
Estou maravilhada, grata e ainda sem acreditar... Deus, muito obrigada!

Tenho muita gratidão a todas que fizerem parte dessa jornada, foram 10 meses de universo  empoderado e maluco das tentantes, cheio de descobertas, ansiedade, amor e esperança...
Um ano e sete meses sem prevenção, duas gestações químicas (agosto de 2016 e janeiro de 2017).

Um agradecimento especial à Anne  pelo carinho, disposição de tempo, grandes ensinamentos e puxões de orelhas.... As lindas e especiais administradoras dos grupos do WhatsApp que surgiram através blog Projetando um Bebê, vocês são todas maravilhosas e tem lugar cativo no meu coração, Deus abençoes os bebês e os positivos de cada uma, muito obrigada pelo carinho e palavras de apoio! Agradeço também imensamente as moderadoras do grupo do facebook Tentantes Empoderadas, vocês não fazem ideia o quão realmente ajudam mulheres/casais a conseguirem engravidar, com tantas informações valiosas, gratidão.

Então vamos lá para o relatado de um ciclo maluco, mas de muito amor!!
Não foi um ciclo relaxado, não foi um ciclo sem ansiedade, muito pelo contrário, foi o mais ansioso até hoje. 
Como algumas já sabem, minha 1ª gestação foi saudável, não planejada, minha segunda gestação não foi planejada, mas não foi acidente como na primeira na qual eu usava pílula anticoncepcional, foi uma gestação química que na época eu nem sabia que existia. Acreditei em um falso positivo, afinal no mesmo dia eu menstruei, só cheguei a fazer um teste de farmácia de marca ruim.

Depois disso a vontade de ser mãe de novo começou a surgir fortemente, comecei a me arriscar mais e pesquisar mais sobre querer, tentar e planejar engravidar,  nesse período, mais ou menos em outubro de 2016, encontrei o blog Projetando um Bebê que tem um grupo maravilhoso no WhatsApp e o grupo no facebook Tentantes Empoderadas, graça a Deus aprendi sobre a real fertilidade rápido, fui ao local certo, onde existiam as melhores informações sobre fertilidade natural.

Depois de seis meses engravidei novamente, na época já fazia gráfico de temperatura, meio troncho mas fazia, outra gestação química dessa vez consegui ver o valor do beta, super baixinho 26, a linha do teste de gravidez clarinha como a maioria das GQs sem evolução na cor da linha e regressão do betaHCG para 16 em 48h... fiquei arrasada e sem chão. Pesquisas e mais pesquisas sobre as possíveis causas que até hoje não estão bem esclarecidas, muitos exames que não esclareceram muitas coisas, todo mês era um catatal de exames, pesquisa de trombofilias que até agora, com os parâmetros que foram analisados, não tenho, uma grande desconfiança sobre SOP, mas nada confirmado....

Agora 6 meses depois estou grávida novamente e com FÉ no meu pai celeste que essa promessa vai se cumprir!
Esse foi o segundo ciclo que me tornei tentante de verdade, apesar dos vários exames e a participação ativa nos grupos, assumidamente treinado todo o período fértil, com apoio do marido e tudo que uma tentante tem direito.
Então que esse ciclo começou e eu fiz tudo diferente, primeiro assumi na minha cabeça que era tentante e passei a me deixar sentir todas as emoções que esse status oferece, falei para os mais próximos e também pedi que parassem de me pressionar por um segundo filho, por que isso me deixava muito mal!
Nesse ciclo mais um fato marcante, minha filha desmamou, aos 2 anos e 11 meses minha mais velha largou o peito, então esse foi o primeiro ciclo que não amamentei, um momento especial e emocional para nós duas, chegou o fim dessa fase da maternidade tão marcante para nós. Nesse ciclo fiz a dieta com baixa ingestão de carboidratos a Low Carb (emagreci 3kg), Óleo de prímula até a ovulação, Vitaminas D3, B6 e B12, Cloreto de Magnésio, Acido Fólico, Vitex, Chá de amora 1L por dia. Quando percebi muco Egg no 11dc pensei logo "hora de começar a treinar", todas as vezes que vejo muco egg sei que minha ovulação vem em 3-5 dias, como na cidade em que moro não tem testes de ovulação, eu trabalho em laboratório,  fiz o teste de ovulação pela observação da  saliva no microscópio, e fui treinando o máximo que pude até a temperatura subir o suficiente para que eu soubesse que a ovulação tinha acontecido. O App marcou a ovulação para o 12DC e eu achei que estava errado por que as TBs ainda eram baixas e ajustei para marcar manualmente  no 15DC, o mais cedo que ovulei durante esses 10 meses medindo TB foi no 14DC, a regra era entre o 16DC-19DC, mas nesse, graças a Deus, foi diferente... Acontece que no possível 3DPO, segundo a minha marcação, e 6DPO, segundo a marcação do aplicativo, comecei um uma TPM horrorrosa e uma dor na perna terrível que eu sinto toda vida que vou menstruar, logo imagine: "droga não aconteceu" e fiquei mega triste, apostei muitas fichas nesse ciclo... Mas já comecei a me programar para a estratégia do próximo. No dia seguinte a temperatura caiu um pouco e eu fiquei ainda mais chateada e para piorar comecei com spotting, eu fiquei arrasada, poxa além de não ter dado certo, minha fase lútea que já não era muito boa, 11 dias, tinha piorado muito. Nossa me revoltei, mal sabia eu que era aquele famoso e abençoado  sangramento de NIDAÇÃO, sim eu engravidei com direito a esse sintoma, durou 2-3 dias pelo APP, 8-9-10 DPO e foi caramelo, saía quase toda vez que ia fazer xixi e sujava a calcinha (não era tão discreto como lia na maioria dos relatos), eu tinha certeza que ia menstruar. Acontece que depois de dois dias a TB subiu e spotting parou, saiu um pouquinho só pela manhã que era como se fosse resquício ainda do dia anterior, fiquei com o coração mais calmo, entendi que podia ser  apenas uma queda de progesterona e minha fase lútea talvez tivesse mais alguns dias. Mal sabia que meu sonho estava lá... tentando grudar em mim...

Agora vem a parte não empoderada, no possível 7DPO,  na minha marcação, e 10DPO na marcação do APP, eu passei mal do nada, fiquei com uma pulga atrás da orelha, quando cheguei no trabalho estava sozinha e vi um teste dando sopa, pensei: "ah vou fazer, só para ser boba, não tem nada demais, já fiz tantos, vai ser só mais um, quem nunca?!..." juro pela minha filha que não passou em nenhum momento pela minha cabeça que seria positivo, até pelo DPO que eu supunha estar... Com provavelmente  a 10ª urina do dia eu fiz o teste e apareceu uma linha fantasminha mas visível, eu me desesperei, me tremi, meu coração saiu, disparou, parou, nem eu sei o que estava sentindo... mas no mesmo instante fiquei muito mal, imaginam só como trabalhei o resto do dia?!... "Meu Deus para que fui fazer um teste tão cedo?! Agora vou sofrer com essa ansiedade...". Depois que sai do trabalho fiz um beta que sairia só no dia seguinte. Repeti o teste de urina com a 1ª urina do dia seguinte, provável 8DPO na minha marcação e 11DPO na do APP, e a linha apareceu mais forte, fiquei mais em paz.

O resultado do beta saiu as 16:30h do dia seguinte e foi 32,20 mIU/ml, fiquei com muito medo do valor baixo, mas algo me dizia que tudo ia da certo. No 13 DPO, pelo APP eu repeti o beta é deu 177,80 mIU/ml, fiquei muito feliz, finalmente havia chegado nos 3 dígitos, o beta havia evoluído eu estava GRÁVIDA mesmo, nesse dia  contei para o marido e filha! Os próximos betas graças a Deus só evoluíram!!

10 DPO - 32,20 mIU/ml
13 DPO - 177,80 mIU/ml
15 DPO - 530,10 mIU/ml
17 DPO - 1320,00 mIU/ml

Estão todos explodindo de amor e gratidão, Deus é perfeito... Meu coração está cheio de esperanças e FÉ... Estou muito feliz. Obrigada meu Deus por realizar mais esse sonho de ser mãe de novo!

PS:. E os sintomas antes do atraso gente?! Eles existem e são exatamente iguais ao de uma TPM, não mudou absolutamente em nada!!!

Gráfico de temperatura basal da Jéssica.

-------------