sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Por que não amo meu bebê? A culpa é dos hormônios!

Oi gente do meu Brasil varonil. Tudo bem com vocês?

Confesso que demorei mais tempo pensando no título para esse post do que para escrever o post hahahaha. O título é pra chocar mesmo. E já adianto: quem não é mãe, não vai entender. E se duvidar, vai criticar, dizendo que a gente é exagerada, que "a avó teve 18 filhos, amou todos e deu conta de tudo". Aham, senta lá, Cláudia. Quando você tiver teu próprio rebento, a gente volta a conversar.

Hoje estava inspirada e escrevi um textinho aqui sobre "AMOR", nosso amor pelos nossos filhos. Espero que gostem!



O que significa "amor"?

O que diz o dicionário?
Sentimento de afeto que faz com que uma pessoa queira estar com outra, protegendo, cuidando e conservando sua companhia. Fonte: Dicio
O dicionário Aurélio explica que "amor é uma emoção ou sentimento que leva uma pessoa a desejar o bem a outra pessoa [...]." Coordenado pelo sistema límbico, responsável pelas emoções, amor é biologia pura. 

"Para o psicólogo Erich Fromm, ao contrário da crença comum de que é algo "fácil de ocorrer" ou espontâneo, o amor deve ser aprendido; ao invés de um mero sentimento que acontece, é uma faculdade que deve ser estudada para que possa se desenvolver - pois é uma "arte", tal como a própria vida." Fonte: Wikipédia

Vamos então elencar os principais significados do amor:
- Afeto
- Proteção
- Cuidado/Zelo
- Dedicação
- Paixão

Em quase todos os lugares, o termo "paixão" vem por último. Na verdade, os principais autores não correlacionam uma coisa com a outra. Afirmam que a paixão e o amor são emoções diferentes, química-hormonalmente falando. Cada um no seu quadrado.

A endocrinologista Adriana Pessoa explica: quando há paixão, "ocorre uma intensa atividade cerebral regida pelos hormônios: dopamina, serotonina, estrógeno, oxitocina e testosterona." Este estado compartilha os mesmos circuitos cerebrais da obsessão, mania, intoxicação, sede e fome. As áreas do cérebro que se encontram ativas em uma pessoa apaixonada são as mesmas ativadas pelas drogas ilícitas. A amígdala (área do cérebro responsável pelo sistema de alerta/medo) e córtex cingulado anterior (região responsável pelo pensamento crítico) encontram-se “desligados” quando os circuitos da paixão estão operando a todo vapor. Fonte: AP

❗Para a maioria das pessoas, "amor" significa se entregar com paixão avassaladora a alguém, aquela coisa de arrepiar os pêlos do corpo, o coração palpitar e a emoção aflorar. Mas isso não é amor! Isso é paixão!

🤔Pergunto: será então que a auto cobrança para "amar" nossos filhos não está muito ligada a uma concepção errada do que é "amor"? Pense bem. Questione-se. Seja crítica com esse assunto, isso vai te fazer bem.

Muitas amigas se questionam quando vão sentir aquele amor arrebatador pelos filhos, tão relatado pelas mães plenas, belas e felizes. Eu mesma já me questionei isso! Me sentia infeliz, incompleta, menos mãe. Minha concepção de "amor" estava bem errada. Comecei a olhar para meu filho em meus braços e a me questionar: se isso que eu sinto não é "amor", é o que então? 

A mídia e o marketing fazem uma lavagem cerebral nas pessoas, fazendo-as questionar os próprios sentimentos. Te vendem uma ideia de maternidade e amor fictícios. Uma maternidade impossível e um amor fantasioso. Sabe por quê? Por que isso é rentável. "Olha aqui, mãezinha, compra esse brinquedo caríssimo pro teu filho, porque isso vai fazer vocês se amarem ainda mais", "ser mãe é maravilhoso, o amor é incondicional e as dificuldades são mínimas perante esse amor". Oi? Tem até gente por aí, em perfis pseudocientíficos, dizendo que exaustão é amor, que tudo bem uma mãe estressadíssima com total privação de sono. Como dizem, menos, gente, beeem menos. Romantizar a maternidade não é nem um pouco legal.

➡️Ah, e já adianto: cortisol (hormônio do stress) compete com a oxitocina (hormônio do amor)!! Quando um está alto, o outro está baixo. Sabe o que isso significa?! Significa que química-hormonalmente falando é impossível sentir essa PAIXÃO por nossos filhos se o nosso cortisol está altíssimo por simplesmente PRIVAÇÃO DE SONO (entre outros).
Da mesma forma, quando a oxitocina está alta, o cortisol abaixa. É por esse motivo que quando a oxitocina está em alta, tendemos a ser menos críticos com quem amamos.

Uma amiga foi questionada pelo marido, quando o bebê dela tinha 15 dias. "Quando você olha pra ele, você sente o quê?". E ela respondeu na lata: NADA.
Mas ali estava ela, doando seu tudo por aquele serzinho. O bebê dela foi muito desejado! Ela lutou contra a infertilidade, lutou contra a trombofilia a gestação inteira, lutou por um parto humanizado, lutou para amamentar em livre demanda. E mesmo assim, ali estava ela, uma verdadeira mãe, se doando em completa entrega e devoção ao filho.

Quantas de nós não passamos pela mesma situação? Aposto que a maioria! Como tudo na vida, acredito sim que há excessões e algumas amaram apaixonadamente seus bebês de forma imediata. Mas a maioria tá do outro lado. Vivendo a loucura do puerpério e tentando achar algum sentido em tudo aquilo que está sentindo. Muito mais do que AMOR, puerpério é DOR. Seja dor física, emocional ou espiritual. É dor. Seja perda de identidade, hormônios a mil, privação de sono, falta de empatia, amamentação difícil ou impossível, dor do parto normal, dor da cesárea. É uma confusão. 

Vamos voltar pro AMOR. Então, concluo que:
- Eu sempre AMEI meu filho, porque sempre dei o meu melhor para ele: afeto, proteção, cuidado, zelo, dedicação.
- Comecei a sentir PAIXÃO por ele depois que ambos começamos a dormir melhor e o meu nível de cortisol abaixou. Isso aconteceu quando ele completou 1 ano de idade.

Hoje, neste momento, eu amo e sou apaixonada pelo meu filho.
🤬Porém, quando estou estressada, com privação de sono, sem paciência e meu filho está se "comportando mal", meu cortisol aumenta e minha dopamina, serotonina, e oxitocina caem. Não deixo de amar meu filho, mas NAQUELE MOMENTO, não estou apaixonada por ele. Aliás, ele não precisa se "comportar mal" para que eu deixe de sentir paixão. Se estou demasiadamente preocupada, isso também pode acontecer.

Não há absolutamente nada de errado com você por não sentir aquela paixão. A maioria de nós não sente e tá tudo bem, não é algo vergonhoso que devemos esconder.

🌸Vamos todas entender como os hormônios trabalham no nosso corpo e ter paciência. Puerpério é muito difícil. A cascata hormonal deixa a gente piradinha. Mas vai passar.
🌎O universo irá conspirar para que nossos hormônios entrem em perfeita harmonia e a gente sinta a tão falada e esperada paixão pelos filhos. Porque amor a gente já tem de sobra. Só falta dormir rs.

Vou gostar muito da contribuição de vocês. Um beijo!

terça-feira, 20 de agosto de 2019

A tal da chupeta e o que ninguém tem coragem de falar: um relato de confusão de bicos

A tal da chupeta e o que ninguém tem coragem de falar

Esse texto foi escrito por mim, Anne, quando Arthur tinha 9 meses, chupava chupeta e de cara apresentou sinais avançados de confusão de bicos. O objetivo, na época, era postar nos grupos pró-amamentação para conseguir ajuda. Não tive coragem de escancarar minha intimidade e meus sentimentos. Hoje, me sinto mais confiante e com a missão de alertar outras mães. Arthur está com 1 ano e 8 meses (completa hoje), é amamentado e o vínculo se fortalece a cada dia.

------

Preciso de ajuda.

Preciso começar dizendo que "eu sabia". Eu sabia que poderia causar desmame precoce, eu sabia que uma hora ou outra ele poderia rejeitar o peito, eu sabia que "ela" poderia nos causar problemas. Só não achei que seria tão doloroso para mim. 

A chupeta.

Eu dei. Mesmo conhecendo os riscos. Eu dei, consciente (será? Hoje questiono). Eu dei num momento de total fragilidade física, emocional, espiritual (não quero me justificar, mas quero explicar). 

Tive tireoidite pós-parto com hipertireoidismo, então o cansaço normal do pós parto era multiplicado. Eu não tinha energia para nada. Emagrecia mesmo comendo o mundo. Estava exausta. Um bebê que não dormia por nada durante o dia e acordava 8-12x na noite (chegou a acordar 18x váááários dias). Longe da família, marido o dia todo fora, sozinha com um bebê e a casa para cuidar. Porém meu bebê sempre negou a chupeta. Com 5 meses, os dentes nascendo, no auge no desespero, privação total de sono, com os hormônios da tireóide fora do controle e com um ultimato do pediatra pró amamentação (será?), dei a chupeta. Na verdade dei sem pretensão, achei que ele iria apenas morder. Mas ele chupou! Foi um misto de alívio com desespero. Dei a chupeta porque achei que estava escolhendo um mal menor. Eu pensei: melhor a chupeta do que a mamadeira com fórmula (sugestão do pediatra que queria que eu tratasse imediatamente a tireóide e que desconhecia que os medicamentos eram SIM compatíveis com a amamentação).

Achei que por ter informação e conhecer os sintomas de confusão de bicos, eu saberia intervir e que seria muito simples retirar a chupeta caso a confusão de bicos acontecesse (#SQN).

Vale dizer aqui que a chupeta ajudou muito pouco, se é que ajudou em algo. Ao mesmo tempo que acalma ele para conseguir relaxar e dormir (única "vantagem" que percebi), durante o sono ele perde inúmeras vezes a chupeta e continua acordando porque a chupeta caiu da boca. O choro? Não diminuiu. É, o bebê tem a capacidade de chorar com a chupeta na boca. Isso quando ela não cai, literalmente, de minuto em minuto. "Ahhh, mas o bebê mesmo consegue colocar a chupeta na boca. Não, colega. Sabe com quantos meses ele vai adquirir essa habilidade?" Arthur com 9 meses ainda não consegue. Quem dirá no meio da noite, no escuro.

Há cerca de 3 semanas atrás, os dentes incisivos centrais superiores dele começaram a machucar meu seio direito (justamente o lado que mais produz). Uma colega me alertou sobre a pega, mas achei que não fosse isso, pois eu achava que a pega não havia mudado, apenas os dentes haviam nascido. Com muito lanolina + paciência, resgatei a almofada de amamentação, o contato barriga com barriga e arrumamos a pega. Rapidamente o peito cicatrizou e prosseguimos com a amamentação, achando que a chupeta não era a culpada. 

Do nada, há poucos dias atrás, ele passou a fazer ânsia de vômito com o peito. Isso dilacerou meu coração. Como estava calor + dentes nascendo + falta de apetite, tentei me convencer de que novamente a chupeta não era a culpada. Ele passou a fazer greve de amamentação, no auge de seus 9 meses. Como sempre mamou apenas leite materno, na hora do fome, ele contornava a ânsia e mamava. Mas apenas o suficiente para saciar a fome, penso eu. De madrugada continuava mamando normal. Apetite para comida também está bastante reduzido, mas aí penso que há uma associação direta com a dentição.

Quando grávida, não tinha grandes aspirações em relação à amamentação. Tinha como objetivo a amamentação exclusiva até os 6 meses, a partir daí, o que viesse seria lucro. Não achei que iria amar tanto amamentar, que seria um momento tão lindo e de total entrosamento com meu filho. 

Eventualmente ele também bebe água num copo que tem bico de silicone, mas como também bebe água em copo normal, esse bico de silicone vai já pro lixo.

Não encontrei nenhum relato de bebê maior com confusão de bicos em relação à chupeta. Tenho total apoio do marido. Ele é firme e não se incomoda com o choro do bebê. Já eu, sofro muito. Arthur já sabe pedir pelo bico e negá-lo me entristece muito. Porém sei que é necessário, serão alguns dias difíceis, mas talvez eu consiga.

Não notei (ainda) diminuição na produção de leite (provavelmente porque ele ainda mama várias vezes de madrugada). Passo o dia em função do bebê, não estou trabalhando no momento.

Enfim... consigo reverter a situação? Sei que estamos tendo sinais muito graves de confusão de bicos.

De todo o coração, peço empatia, principalmente às minhas amigas que estão lendo este post, e que me avisaram de que isso poderia acontecer. Vocês me acompanharam e sabem o que eu passei. 

Muito obrigada e um abraço.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Relato de positivo - Mara

Genteeeee

Tudo bom?? Já estamos no meio de agosto e nada de relato aindaaaa! Me perdoem. Mas tá corrido demais e não estou dando conta. Queria poder postar os relatos também no Instagram, mas não tá rolando. É mais difícil postar lá e acabo sempre deixando pra depois. Me sigam lá no Insta.

Olhem que bacana, a Mara e o marido estavam se preparando para iniciar a Inseminação Artificial, mas não foi preciso! O milagre chegou antes. Quase 2 anos de espera, confiantes de que a benção chegaria. Hoje a Mara tá no G4 com seu baby e temos uma convivência diária. ❤


Tenho 29 anos, completo 30 em julho. Tentante desde maio de 2016. Na minha primeira consulta de tentante descobri a SOP. Mas não investiguei e a médica não explicou o q era. Me passou AC. Não tomei. Fui em um especialista em reprodução ele disse tb q eu tinha SOP e que nao era pra tomar esse ac q a gineco passou, olhou uns exames q eu tinha e passou indutor + ultras+ choriomom 2 vezes, sem sucesso. Eu pedi pra ele passar o pedido de espermograma, no resultado (alta quantidade, baixa motilidade) ele disse q a gente nao ia conseguir engravidar e falou pra fazer IA (4 meses de tentante). Odiei ele por essa fala! Parei de ir nele e procurei outra médica. 
Nessa época entrei no grupo (final de 2016) e comecei a pesquisar tudo no blog. Fiquei encantada com tanta informação preciosa. Essa outra médica disse q eu tinha SOP (mesmo com ciclo regular) e resistência a insulina. Passou indutor mas não fazia ultra pelo plano. Tentamos 2 vezes com a ultra seriada. Sem sucesso. 
Eu fiquei desanimada e parei as tentativas por uns 7 meses e até saí do grupo. Entramos em crise no casamento, quase divorciamos, mas graças a Deus foi so uma crise! Tudo se resolveu e voltamos às tentativas (setembro 2017). 
Voltei pro grupo e comecei os gráficos de vez, parei de só observar (para as q entraram agora: APENAS PARECE SER DIFICIL FAZER O GRÁFICO, NO PRIMEIRO CICLO FAZENDO VC PEGA O JEITO e não consegue mais imaginar a vida de tentante sem esse gráfico kkk).
Essa médica pediu histerossalpingografia e nao achou nada no resultado, me passou 6 meses de indutor em casa sem ultra. Choquei. Mas Usei 2 meses (dez 2017 e jan 2018) e parei pelo empoderamento kkk.
O grupo me ajudou 100%! Nao me imagino sem ter entrado nesse grupo maravilhoso! Todas adms muito atenciosas, tiravam todas as minhas dúvidas, a Miriã é a q mais me aguenta ate hj kkk.
Manipulei pela primeira vez em dezembro 2017: usei formula sophia + cloreto magnésio (pó) + oleo copaiba+ agua inglesa (2 ciclos) + amora + maka peruana + colageno Hidrolisado. Usei de la pra ca certinho e sempre fazendo os gráficos. Em fev 2018 decidimos procurar outro especialista, a Miriã me indicou um médico maravilhoso. Na consulta com ele eu descobri q fui diagnosticada esse tempo todo com SOP e na vdd nao tinha SOP. E na exame da histeros... apareceu uma trompa elevada e nao aparecia a outra trompa (n se sabe se foi a posição do exame ou se realmente so tenho essa trompa elevada). Ele foi um amor de médico, segurou na minha mão e disse olhando nos olhos pra eu nao preocupar pq ele tinha certeza q eu iria ser mamãe. Ele pediu um espermograma e passou umas vitaminas (tinha acabado de comprar a Fórmula Thor pro marido). Voltamos nele qndo iniciei um novo ciclo pra ele acompanhar a evolução da ovulação vimos somente 1 vez no ultra (5DC) e ele pediu pra fazermos IA pra nao perdermos mais tempo pq ja tinha 2 anos q estávamos tentando em casa e assim o resultado seria mais rápido. 
Fomos pra casa dispostos e decididos a fazer a IA no próximo ciclo. Procuramos tudo sobre IA, todos os valores de quanto iriamos gastar e começamos a nos preparar financeiramente. Aguardei a menstruação vir pra dar início, fizemos todos os exames de sangue q precisava, no PF desse ciclo (abril) namorei e fiquei de pernas pra cima (n tinha dado tempo de fazer efeito das vitaminas pro marido) e ja comecei nessa fase a me sentir mãe, comecei sentir uma sensação beeeem diferente, uma emoção sem igual, um frio na barriga, coisa diferente mesmo. 
Chegou o dia da menstruaçào vir e nada, o gráfico deixou todas do G2 ansiosas kkkkk e eu não queria perder o empoderamento. Tentei esperar 3 dias de atraso pra fazer TG de farmácia. 1 dia antes do teste eu senti um calafrio de emoção q durou o dia inteiro, meu marido falou assim: vc ta grávida, tá emocionada pq nosso filho ta ai ja. Eu so sorria. 1o dia de atraso fiz TG de farmácia a noite kkk deu negativo, lógico. 3o dia de atraso fiz pela manhã 7h e deu uma linha tão discreta q eu forçava a visão pra poder vê-la, mostrei na mesma hora pra Miriã antes do marido kkk ela disse q achava tb ter visto a segunda linha. Quase morri, chorei sozinha no banheiro. Fiz o beta 27/04 de manhã e as 11h saiu o resultado: 77, positivão. Fiz uma surpresa pro marido q nem esperava o resultado no mesmo dia rsrs. Ele chorou e comemoramos muito nosso milagre! 
Estamos anestesiados ainda de tanta emoção, muita gratidão a Deus (realizou meu sonho sem precisar da IA) e muita gratidão por existir esse grupo abençoado que ajuda tantas mulheres a realizarem seus sonhos e principalmente o empoderamento q sem esse fica muito mais difícil a caminhada. Estou pedindo a Deus pra todas vcs alcançarem, o mais rápido possível, o positivo de vcs, pra nos encontrarmos todas no G3 (grupo de gestantes)! Nunca desistam, pode parecer impossível as vezes, mas Deus sabe de tudo, Ele criou o universo e faz tudo perfeito no tempo dEle. Tenham fé e continuem sempre!
Fiz minha primeira ultra hoje (08/05).  Estamos de 5 semanas. So consegui ver o saco gestacional e a vesícula.  Daqui 2 semanas veremos o embrião e os batimentos ❤. Muita emoção! 
Boa sorte a todas.
Não fiquem em apenas uma opinião médica, se empoderem, leiam todos os textos do blog da Anne, se não se sentirem seguras com um médico, troquem! Façam os gráficos, suplementem-se, sempre fique confiante, seu corpo ouve o que vc fala pra ele, ora e profetiza na barriga de vcs, fiz isso por quase 2 anos.
Desculpem pelo textão. Rsrs
Gráfico de temperatura basal da Mara

-------------

segunda-feira, 22 de julho de 2019

Relato de positivo - Miriã

PÁRA TUDOOOOOOOOOOO!!!
SURPRESA PARA VOCÊS!

Ahhh gente, chegou o relato mais esperado desse blog! Só de escrever isso já me emociono! 😭 Tem dezenas de relatos esperando para serem publicados, mas esse eu tive que colocar na frente! Me perdoem as donas dos outros relatos, logo voltaremos com a programação normal. (Normal = quando o Arthur dorme e me deixa ligar o computador hahaha).

Acho que não tem ninguém que não conheça a Miriã, uma das nossas admins mais antigas! A torcida por ela era gigante, do G0 ao G5, não havia ninguém que não estivesse torcendo por ela. Quando publicamos em todos os grupos que ela estava grávida, foi uma enxurrada de mensagens maravilhosas! Aliás, só o anúncio desse positivo merece um capítulo à parte. Foi lindo demais, emocionante! Para quem não sabe, sempre que temos um positivo, fazemos uma brincadeira nos grupos. A brincadeira consiste nas admins irem dando dicas de quem é a nova mamãe do pedaço e as participantes vão marcando as colegas que se encaixam nas dicas. É super legal, mas a brincadeira do positivo da Miriã foi elevada a outro patamar, pois teve a participação de todas as admins, teve foto/vídeo dos bebês das admins mais antigas e muita, MUITA EMOÇÃO.

Confesso que já me imaginei escrevendo essa introdução muitas vezes, mas agora me faltam palavras. Ao mesmo tempo que quero falar tanta coisa, não sei se palavras serão o suficiente para expressar a minha alegria e gratidão.

Quem acompanhou a tragetória da Miriã consegue ver claramente o amadurecimento ao longo das experiências. Que mulher de garra! Permitia-se chorar no 1 DC, mas logo levantava a cabeça e fazia novos planos para o ciclo. Por muito tempo carregou consigo o diagnóstico (ou melhor, a falta dele) de ISCA (Infertilidade Sem Causa Aparente). Não há nada mais difícil para um soldado que lutar contra um inimigo que ele não conhece! Mas nós, principalmente o corpo de admins, nunca acreditamos em ISCA. Sabíamos que faltava investigação, faltavam pecinhas nesse quebra cabeça.
Você aí, essa mensagem é para você, que já investigou de tudo, nunca teve perdas (ou teve) e está resistente em fazer os exames de trombofilia... eu sei que é caro. Eu sei que você está pensando "mais um monte de exames que não vão dar em nada". Mas abra o teu coração para a possibilidade de fazer os exames de trombofilia. Saiba que muito provavelmente é a pecinha que está faltando no quebra cabeças. Trombofilia dificulta para engravidar SIM! A Miriã tentou engravidar por longos 6 anos, e no primeiro ciclo usando anticoagulante, ela engravidou
A Miriã fez 2 exames da sequência: MTHFR e PAI-1. Lembro como se fosse hoje, ela pegando o resultando de MTHFR, que saiu primeiro e o resultado: negativo. Bom, MTHFR ela não tinha, mas faltava sair o resultado do PAI-1. Ela achava que também daria negativo... mas quando saiu... 4G/4G HOMOZIGOTO!! Sim, sim, ela descobriu o que impedia a concretização de seus sonhos!! Isso significava que ela tinha trombofilia, possuia o polimorfismo genético (mutação) para o PAI-1!
"Uma nova alteração genética pode estar associada a abortos, falha de implantação (portanto podendo ser causa de infertilidade), insucessos nos tratamentos de fertilização e complicações gestacionais (como insuficiência placentária, que pode levar a restrição de crescimento e alterações na circulação fetal). Além disso, esta alteração está também associada com o risco aumentado de doenças cardiovasculares, levando a uma chance de 20% de infarto do miocárdio. É o polimorfismo 4G/5G do PAI-1." Fonte: IPGO
Ah, minha amiga. Faz um favor, pega um cafezinho, um chazinho, um biscoitinho (low carb, por favor rs) e venha ler esse relato. É para renovar as esperanças de toda tentante. Ah, e não se esqueça dos lencinhos. Você vai precisar!

Se possível leia o relato com a música ao fundo. ❤


Tanto tempo já vai caminhando, e ainda me pego recordandoLágrimas rolaram dos meus olhos, enxuguei mais de uma vezTenho algumas marcas que ficaram em meu sorriso nesses anosE também lembranças tão bonitas Que o tempo não desfezQuem diria que você viria sem dizer que vinha?Porque nunca é tarde, Para apaixonar-se... (Musica: Chegaste - Jennifer Lopez part. Roberto Carlos)

Como eu queria escrever este relato, confesso que tenho em meu computador vários esboços de relato, viajava de olhos abertos, escrevendo isso ou aquilo, mas agora que a realidade chegou não consigo colocar nenhuma vírgula.

Há seis anos eu estava começando a minha jornada em querer ser mãe, nunca imaginei ser tão difícil e trabalhoso, imaginava pelas histórias familiares que seria fácil, que pararia o anticoncepcional e logo estaria grávida, que doce ilusão.

Eu e o mozão (apelidinho carinhoso rs) sempre falamos que nada na nossa vida é fácil e não seria dessa vez, teríamos que lutar muito, chorar algumas vezes e claro sacudir a poeira depois de seguir firmes.
Casamos em 2012 e pelos nossos planos, em 2013 pararia o anticoncepcional e o "projeto bebê" iria entrar na pauta principal. E assim seguimos o script, fui a alguns médicos que me passaram exames básicos e simplesmente deram a dica: “está tudo perfeito, espermograma do marido dá pra povoar a cidade, agora é só namorar”, mas não era assim tão simples.

Com um ano sem me prevenir, resolvi procurar outro médico, esse começou as investigações, como amei esse médico, mas infelizmente inconclusivas as primeiras investigações, descobrimos apenas uma suposta “prolactina alta”. Fiz o tratamento por um mês e fizemos um ciclo com indutor com monitoração com ultrassonografia seriada, ovulei, mas sem positivo! Então já me encaminhou para um especialista em reprodução humana, segundo ele nós estaríamos na probabilidade dos 10% dos casais sem problemas de fertilidade, neste caso ele já estava nos classificando como ISCA - Infertilidade sem Causa Aparente (segura essa informação, quero lhe dizer algo sobre isso rs).

Na primeira consulta a especialista olhou todos os exames, pediu outros e novamente bateu na tecla da prolactina alta, achou que estava com intolerância à glicose e acima do peso, e isso que estaria prejudicando a fertilidade, com isso tomei a decisão de ir a uma endocrinologista, e ai cuidar dessa parte.

Em 2016, decidimos deixar rolar, sem marcação de data de dias férteis, ovulação e neste período acabei por ter duas perdas familiares que me marcaram muito, pois eram pessoas maravilhosas, um deles era meu alicerce, não sabia o que iria fazer, ou se ia tentar engravidar sem antes cuidar das minhas emoções.

Em Janeiro de 2017, resolvi voltar aos poucos para o mundo de tentantes, nesse tempo em busca de grupo, fui surpreendida e agraciada pelo grupo “Las Empoderadas”. Quando entrei no grupo recebi uma enxurrada de informações! Era um tal de sintotermal, de fitoterápico, vitamina “X” e Y”, muitas das vezes me perguntei: “O que é isso? Como entrei nesse grupo?“, nunca tinha encontrado um grupo tão cheio de informações, mulheres antenadas, e donas de seus destinos!
Primeira coisa que fiz, começar o sintotermal, lembro-me como hoje chamando a Anne no privado para perguntar se poderia começar quando quisesse, se o fitoterápico poderia usar, quais vitaminas poderia começar de imediato, etc.
Em meio a essas descobertas, descobri a falta de progesterona (minha fase lútea era de 10 dias), também conclui que aquela “investigação” toda estava incompleta, tinha muita coisa que eu precisaria mudar, as minhas vitaminas estavam baixas, precisava mudar meus hábitos alimentares, e tudo isso foi fluindo, pouco tempo fui convidada a fazer parte do time de Administradoras... (Que felicidade!)
Nesse meio tempo marquei uma endocrinologista, já ouvi outro leque de informações, refiz o exame de prolactina e macroprolactina, neste veio uma das surpresas, tenho macroprolactina (prolactina inativa)! Essa não afetaria minha fertilidade, a intolerância à glicose e o peso precisariam com urgência de cuidados, mas não era o diagnostico para infertilidade.

Sem um diagnóstico, continuei a procurar o que então poderia ser um dos motivos, e tive o conhecimento que 10% das mulheres temos endometriose, e é uma doença silenciosa! E eu no caso não tinha nenhum indicio de endometriose, não tinha sintoma, mas como sabemos, não precisamos ter sintomas para ter algo, e lá vamos nós para mais um médico, mais um exame!
O que mais cansava nesse caminho era a falta de interesse dos médicos, algumas vezes me olhavam pensando que era doida, mas não tem como, a vontade de ser mãe nos deixam loucas, mas nos deixam preparadas para enfrentar o que for
Nós, seres humanos, somos muitas das vezes levados ao fundo do poço justamente para que saibamos escalar e sair. Tenha sempre isso em sua mente: não é porque você foi colocada naquela situação que você está obrigada a ficar! 
Com o exame de endometriose negativo, estava mais uma vez no escuro, mais uma vez fui jogada no poço escuro, sem luz, sem escadas para sair, mas precisava sair!

E continuei ali investigando e em paralelo meus gráficos, minhas vitaminas, meus fitoterápicos, neste período utilizava e continuei por diversos ciclos o mesmo protocolo, pois neste tempo não tinha diagnostico e tinha coisas que não poderia usar, ou não achava interessante.

- Fórmula Sophia, Vitex (sempre foi meu queridinho), Omega 3 (Mega DHA da Vitafor), chá de amora miúra, cloreto de magnésio PA 33g, colágeno hidrolisado. Algumas vezes trocava o Vitex pela Duplinha.

Como sofria a cada entrada e fechamento de ciclo, pois a todo o momento não tinha um diagnóstico preciso, a todo o momento ecoava dentro de mim “ISCA! ISCA! ISCA!”! Neste momento me desesperei, e resolvemos que teríamos que correr atrás de outros médicos e começar a pensar já em Inseminação Artificial ou Fertilização in Vitro, não teria pra aonde correr, já tinha investigado tudo, parte hormonal, anatomia, endometriose, espermograma... Não tinha mais o que fazer, não tinha mais exames para fazer! Me encontrei com três médicos com todos os exames e a única coisa que falavam era: “Parte para algum tratamento de fertilidade enquanto você tem um idade boa, e como não tem nada que atrapalha, vai ser sucesso”, mas meu coração não queria aceitar isso, queria muito realizar meu sonho, mas algo ainda prendia.

Sabe aquela informação que pedi pra guardar? Vou te contar por quê! ISCA – Infertilidade Sem Causa Aparente, como já ouvi essa palavra!! Me dava raiva no início, após um tempo foi fazendo parte do meu dia-a-dia e do vocabulário, pois fomos condicionados que era esse o nosso diagnóstico – Me recordo de uma frase de uma amiga que falava que quando médico te classifica como ISCA é porque tinha preguiça de investigar – hoje em dia eu concordo, pois existem tantas etapas para concluir uma investigação, mas muitos param no meio do caminho, por achar que deram o melhor, por ser o protocolo médico.
Tenha em mente que ISCA não existe! Sempre tem algo a ser investigado, não deixe que essa palavrinha grude na sua mente e te condene! Tenha CURIOSIDADE e seja TEIMOSA, lute por respostas!
Em meio a tantas dúvidas e desejos, muitas das vezes não ouvia (ou não queria ouvir) os conselhos das amigas, muitas vezes insistiram em que fizesse os exames de trombofilia, e por diversas vezes recusei, por medo talvez, não sei, por sempre bater naquela tecla: “não teve aborto, não tem histórico familiar...”... Mas respirei fundo e fui fazer esses exames, muitas das vezes falando dentro de mim: “Pra quê? Vai dar negativo pra tudo”. Mas para a minha surpresa, estava ali meu diagnóstico.

Em Fevereiro/2019, decidi fazer a pesquisa de trombofilia, e apareceu o meu diagnostico: POLIMORFISMO PAI-1 4G/4G HOMOZIGOTO. Mas o que isso quer dizer? Isso quer dizer que descobri o meu monstro, descobri o que poderia ali estar atrapalhando a concretizar meu sonho.
Agora era ir atrás do médico que me acompanhasse e me desse o protocolo correto, é desesperador! Pois além de encontrar um fator que pode te prejudicar, a maioria dos médicos ainda não aceitam como sendo um dos empecilhos para fertilidade! Mas Deus não faz nada, absolutamente nada sem que seja para seu bem, e eu acredito que todo meu caminho foi desenhado e traçado da melhor maneira, pois nesse tempo foram colocadas pessoas maravilhosas que me deram a mão nesse caminho, aquelas que me levantaram e me guiaram.

Fui liberada para voltar às tentativas naturalmente em Junho/2019, neste mês meu marido pediu para que tirasse férias (e confesso que relutei um pouco rs), não achava que seria o melhor momento para férias. Estava animada, mas ao mesmo tempo apreensiva, queria manter o meu redor com sentimentos e vibrações boas.
Em 6 anos de tentativas, nunca na minha vida tinha cogitado fazer um beta. Por diversas vezes olhava para aqueles gráficos lindos que eu tinha e criava a maior expectativa! Corria pra fazer um teste de gravidez e sempre negativo! Muitas vezes ao entrar na farmácia pra comprar um teste, sentia meus sonhos descendo e já sabia: “a menstruação chegou”, e ao invés de um teste de gravidez, eu voltava com um pacote de absorvente.
Desta vez tomei uma decisão, queria uma certeza, queria uma mudança, mesmo que ela começasse pequenininha e foi o que me ocorreu.

No dia 29/06 (11DPO), fiz o meu primeiro beta da vida! E estava lá, 81 mIU/mL! Não acreditei!
Assim que saiu, já mandei para as minhas "mais que amigas" com a frase: “ESTAMOS GRÁVIDOS!”! E juro que até hoje parece que o tempo parou e estou lá naquele dia, no estacionamento, com meu marido sem reação alguma, mas mesmo assim apreensivos por esse valor, mas orando e pedindo a Deus que nos protegesse a todo momento.
No caminho pra casa, eu e o marido só ficávamos rindo e sem reação. Me recordo apenas da frase mais linda que já ouvi na minha vida vinda do meu marido: “Amor, agora somos três”. Minha voz ficou presa na garganta, não soube o que responder, a não ser “Obrigada Deus, por isso.”
Dia 01/07 (13DPO) outro beta e ele aumentou muito!! Deu 301,4 mIU/mL! E em 05/07 (17DPO) deu 2.670,00 mIU/mL. Não cansava de olhar aquele beta e já imaginando o meu bebê em meu colo, como sonhei com aquele momento, quantas noites meu travesseiro ouvia meus segredos, enxugava minhas lagrimas, lá de cima sei que Deus sempre ouvia minhas orações e sempre me respondia da forma d’ Ele: “Calma que sua hora está chegando”... E CHEGOU!

Nesse caminho eu aprendi o verdadeiro significado de RESILIÊNCIA e GRATIDÃO. Para mim, os eventos à minha volta puderam me empurrar para frente, não foi fácil passar por essa transformação e aprender a cada ciclo a me reerguer. Mas foi necessário desistir de brigar contra a vida e às dificuldades, e colocá-las a meu favor! Sim, comecei a olhar com outra perspectiva! Hoje posso afirmar que tudo que aprendi e vivi foi para me deixar mais forte!

Nesse processo a Gratidão tomou conta dos meus dias, aprendi que não é somente quando estamos bem ou recebemos algo bom que precisamos agradecer. Aprenda a agradecer por tudo, independente do que esteja passando.
Tenho muito a agradecer a cada participante dos nossos grupos por ter disponibilizado suas experiências, suas lutas e motivações, foram elas que também me inspiraram e não me deixaram cair, às minhas grandes amigas Admins, por me darem a oportunidade de ser parte do time de administradoras e por dividir toda sua histíria, sorrisos e medos e por sempre estarem ali de mãos dadas, seja pra acalmar ou pra puxar a orelha! Temos um único propósito: “Levar conhecimento sobre a Fertilidade a todas”.

Quero dizer a você que está lendo esse breve texto que NUNCA DESISTA, passe o tempo que for, e não deixe que a INFERTILIDADE seja uma bola de ferro nos seus pés, aprenda a usar a seu favor toda a dificuldade a sua volta!
E sempre se lembre do verdadeiro significado da palavra ORAÇÃO (ORAR+AÇÃO), ORE o tempo todo, mas tenha AÇÃO, LUTE pelo seu sonho!

Protocolo:

- Cápsulas do Complexo B, Country Life
- Vitamina D3, 10,000 IU, Healthy Origins
- Coezima Q10, 100 mg, Country Life

- Mega DHA da Vitafor (um excelente ômega 3)
- Cloreto Magnésio PA
- Ultrogestan 200mg (devido à deficiência de progesterona)

- Low Carb (Tinha perdido 3 kg nesse período)

Devido à trombofilia
(Alerta! Esse protocolo é individualizado e deve ser utilizado com prescrição e acompanhamento médico, cada médico tem uma conduta e protocolo adequado para cada diagnóstico! Sei que muitas das vezes dá aquele desespero e queremos tomar tudo que a colega tomou, mas tenha sempre em sua mente que nem tudo é indicado para você, e invés de ajudar pode prejudicar!)

- AAS 100mg
- Clexane 40mg.

Gráfico de temperatura basal da Miriã.

-------------

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Encontro de Apoio à Tentantes

Olááááá, tudo bem com vocês?

Tenho uma novidade muito bacana! Quem sempre quis um encontrinho, vai amar!
A administradora Andreza Cunha está coletando informações para organizar um Encontro Nacional de Tentantes. Esse encontro conta com o apoio das administradoras do blog Projetando um Bebê e da Dra. Talitha Melo, médica ginecologista de Belo Horizonte

A Andreza fez um questionário para coletar informações de como deve ser, o que esperar e o que se busca num encontro presencial de apoio à tentantes.

A infertilidade é uma dor negligenciada e solitária que muitas vezes um abraço é o que mais precisamos em determinados momentos!

Com o generoso apoio da Dra. Talitha Melo e das administradoras do blog, vamos promover esse contato que será de enorme valia para todas nós?

Caso tenha interesse no encontro, responder as perguntas do formulário. Aguardamos ideias e sugestões para melhor atender a todas as interessadas.
Um abraço!!

domingo, 14 de julho de 2019

Relato de positivo - Débora

Oiiiii galerinha do meu coração!
Tudo bom com vocês?

Olhem esse relato que lindo, fala sobre SONHOS! Quem estiver na luta com infertilidade secundária vai se emocionar!

"Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado." (Roberto Shinyashiki)


Essa questão de sonhos é uma longa jornada de empoderamento que tive o privilégio de obter durante a minha formação de Psicologa a 13 anos atrás.

Na psicologia damos muito ênfase aos sonhos! Porque são considerados por Freud (o pai da psicologia), como a forma de extravasar e nos comunicar conteúdos oníricos (que seriam os pensamentos, sensações e sentimentos conscientes e inconscientes que reprimimos no nosso dia-a-dia).

Meu esposo sempre me disse que eu tinha algum problema por lembrar tão vividamente de cada detalhe dos meus sonhos, dos cheiros, diálogos e acontecimentos cronológicos. 😬😬😬😬

Mas sou assim fazer o que rs. Isso me ajudou muito em minha terapia de autoconhecimento pois sempre meus sonhos traziam conteúdos reprimidos que conseguia trabalhar em terapia.

Logo, durante três noites antes de fazer o teste de gravidez, sonhei que estava grávida!! E na noite anterior a manhã do positivo sonhei que havia feito um TG.

Nessa hora acordei, era domingo dia dos pais. Senti uma ardência na minha boca, já sabia o que era... herpes labial 😔 Fazia anos que isso não me acontecia... Pensei.... imunidade baixa... mas peraí... na terça feira fui no Mantelli e ele descobriu uma candidíase... imunidade baixa.... também não me lembrava quando a última vez que tive....

Me sentia quente, mais do que o normal... Foi neste momento que me lembrei do sonho do positivo daquela noite...

Acordei de vez e dei um pulo!!!! Preciso fazer um TG!!!!! Já pensou se justo hoje no dia dos pais??? Não poderia ser!!  Deus estaria sendo muito bom conosco!!! 😱😱😱

Meu marido já tinha levantado e tava na cozinha bem na frente da gaveta que tinha que pegar um copinho pra juntar a urina.... Aí que aflição??? O que falar!!!! Tinha que dar uma desculpa e não queria que ele desconfiasse do que eu ia fazer porque se não desse positivo não falaria nada pra ele....

Ele disse que eu tava estranha e eu super apertada com a primeira urina só querendo um copinho!!! 🙏🏻🙏🏻😂😂😂

Por sorte ele voltou ao quarto e eu consegui enfim pegar o bendito e ir ao banheiro.... isso foi outra saga porque ninguém podia entrar no banheiro e com tanto banheiro em casa todos queriam ir nele 😂😂😂😂 Parece a lei de Murphy!!!!

A segunda listinha apareceu beeeem fraquinha no teste de tirinha....

Não acreditava que eu estava tão em sintonia com meu corpo daquela forma e tive que fazer o exame da Clearblue.... e de novo tentaram entrar no meu banheiro kkkkkk Que tenso!!!!

Quando positivou o TG da Clearblue já fiquei aos prantos e na hora meu esposo entrou e me viu daquele jeito bem segurando o TG na mão.

Ele olhou direto pra minha mão com o TG e depois olhou pra mim... ele já sabia o que se tratava... e começou a chorar de emoção comigo....

Iríamos guardar segredo da minha menina mais velha por segurança, mas ela entrou na hora e nos viu daquela forma... viu o TG e tbm já soube e me perguntou... Sua M não veio esse mês????

Ahhh meninas não tivemos como naquele momento dizer a ela que não estava acontecendo nada... nós entregamos e foi a melhor coisa!!! Choramos os três abraçados e naquele mesmo momento nós voltamos em oração a Deus a quem ela tinha pedido por toas essas noites depois que sua irmãzinha se foi, pedindo por um novo irmãozinho, ou irmãzinha.... ou melhor gêmeas ou gemeos ou trigêmeos ou trigêmeas como ela gostaria que fosse!!!! 😭😭😭😂😂😂😂

Deus é muito bom!!!! E não falha!!! Tudo e ao seu tempo!!!! É cada uma aqui tem o seu. E ele não falhará com nenhuma de vocês assim como foi fiel comigo!!! 😍

Desculpem o texto enorrrrrmeeee já acabou sendo o meu relato!!! 😂😂😂

Gráfico de temperatura basal e beta HCG da Débora

-------------